Pesquisa realizada por peritos aponta principais gargalos

Pesquisa realizada por uma equipe de peritos criminais do Instituto de Criminalística de Palmas, nos meses de janeiro a agosto deste ano, nos atendimentos de perícias com vítimas fatais ou lesionadas envolvidas em acidentes de trânsito em Palmas, buscou encontrar os pontos críticos e as principais causas dos acidentes na capital.

Os dados da pesquisa apontam para diversos locais onde ocorreram mais de um acidente no prazo máximo de 90 dias e identificou, nesses locais, os motivos que contribuem para o alto índice de acidentes, como falhas ou deficiência na sinalização.

A conclusão da pesquisa aponta que a maior parte dos acidentes se deve a imprudência, negligencia e imperícia dos condutores, principalmente devido às velocidades excessivas, mas que há também o agravamento por sinalizações inexistentes ou ainda, inadequadas.

Os peritos ainda disponibilizaram no estudo, sugestões que foram entregues à Secretaria de Segurança Pública para a divulgação e desenvolvimento de ações que possibilitem uma redução nos índices de acidentes no trânsito da capital.

De acordo com o chefe de gabinete da ATTM – Agência de Trânsito, Transporte e Mobilidade, Manoel Messias, a pesquisa realizada pela equipe de peritos é muito válida, mas há alguns pontos que divergem da pesquisa realizada pela própria agencia e outros que devem ser destacados.

Como por exemplo, Manoel comenta a sugestão para a implantação de rotatórias na Avenida Teotônio Segurado que, segundo os peritos, embora também haja acidentes, os mesmos são de pequena proporção. Para o órgão, a sugestão seria inviável, visto que acidentes continuariam acontecendo. Em contrapartida, a ATTM pretende implantar a fiscalização eletrônica nos semáforos onde a mesma não existe e colocar em funcionamento as que já estão instaladas.

Sinalização semafórica intermitente é um perigo, diz estudo

Outro ponto em destaque na pesquisa é a sinalização semafórica. A pesquisa realizada pelos peritos afirma que no período noturno, após os semáforos ficarem em funcionamento intermitente (alerta na cor amarela), há uma grande quantidade de acidentes, às vezes de proporções acentuadas, o que contradiz a opinião de Manoel. Segundo ele, entre meia-noite e cinco da manhã, período no qual os semáforos estão em funcionamento intermitente, a ocorrência de acidentes não é maior que nos períodos das 17 às 22h, onde os mesmos estão em funcionamento normal. A justificativa para a suspensão do funcionamento normal dos semáforos, segundo o órgão é para que o condutor, ao transitar pela via de madrugada, não seja forçado a desrespeitar a sinalização, ultrapassando o semáforo fechado por não haver movimento. Manoel faz questão de ressaltar que o motivo dos semáforos não funcionarem nesse período não é o consumo de energia, conforme apontado na pesquisa. No entanto, um dos peritos responsáveis pela pesquisa, Ezequias Freire, contesta a alegação da ATTM. Segundo ele, somente no cruzamento da Av. Teotônio com a LO-03, cruzamento no qual ocorreu um acidente com vitima fatal na ultima semana, há aproximadamente 2 anos, em um período de 30 dias, em execução intermitente, houve dois acidentes gravíssimos com vitimas fatais no local.

Os peritos ainda sugeriram a implantação de sonorizadores próximos às faixas de pedestres. A solução para as faixas (que não são respeitadas na capital), apontada pela ATTM é a intensificação da fiscalização nos principais locais de travessia de pedestres.

Já na duplicação da Avenida Teotônio Segurado, nas proximidades da ULBRA, bem como em outros pontos da cidade, a equipe de peritos detectou falha na sinalização. Neste local especificamente, Manoel Messias contestou, alegando que acidentes no trecho não são comuns e quando acontecem, é devido ao desrespeito ao limite de velocidade. Segundo ele, no local existe sinalização horizontal e vertical, e se for respeitada a velocidade da via, não há dificuldade, mesmo com a curva acentuada. Mas Manoel também não nega que o local requer mudança de forma definitiva e comenta que faltam recursos para que essas mudanças ocorram (no caso, a duplicação da via, conforme projeto original).

Sobre a aplicação da Lei Seca, os peritos ressaltaram que a mesma deveria ser fiscalizada com mais rigor, já que os bares da capital apresentam boa freqüência noturna e seus estacionamentos ficam “abarrotados” de carros e motos, o que indica que seus condutores estejam ingerindo bebidas alcoólicas. A ATTM apresenta a ressalva de que o órgão serve apenas de apoio a Policia Militar, que é a responsável pela fiscalização, uma vez que dirigir embriagado é considerado crime.

Manoel, no entanto, enfatiza que a ATTM está à disposição e aberta a críticas e sugestões no sentido de trazer melhorias ao trânsito da capital e declara que o órgão está observando e acompanhando as sugestões encaminhadas pela equipe do Instituto de Criminalística, mas ressalta que os recursos são limitados para que sejam implantadas todas as ações.

Estatísticas são ilusórias, diz perito

Para a equipe de peritos, há ações que podem ser realizadas sem custos, como ressaltou mais uma vez o perito Ezequias, quanto a questão dos semáforos intermitentes. “A questão dos acidentes é algo muito sério em Palmas e as estatísticas apresentadas não condizem com a realidade”, explica. Segundo Ezequias, os dados apresentados pela ATTM que apontam para 26 vitimas fatais em acidentes de trânsito na capital este ano é “ilusório”, já que em apenas três acidentes ocorridos nos últimos meses morreram 10 pessoas. “A população precisa se conscientizar, os órgãos competentes precisam fazer alguma coisa e as estatísticas precisam ser centralizadas para que seja apresentada a situação real que se encontra o transito em Palmas”, sugere Ezequias.

O perito ainda informa que a Associação dos Peritos do Tocantins está desenvolvendo um trabalho que, em breve, irá auxiliar a sociedade palmense tanto nessa questão como também no que envolve acidentes domésticos, roubos e uso de drogas na capital.

Original em: http://www.ogirassol.com.br

Leave a Reply