Mercado municipal de Campo Mourão é completamente destruído por incêndio

Fogo inciou na noite de ontem e só foi controlado pela manhã

Um incêndio destruiu completamente o mercado municipal de Campo Mourão na noite deste domingo (18), por volta de 22 horas. O local estava vazio quando o fogo começou. Não houve vítimas.

O fogo só foi controlado por volta de 6 horas da manhã desta segunda-feira (19), segundo informações do Bondenews.

Hoje pela manhã, homens do Instituto de Criminalística foram ao mercado municipal para tentar descobrir as causas do acidente.

O mercado municipal continha 60 lojas, instaladas em aproximadamente 3,5 mil metros quadrados, que comercializavam roupas, equipamentos eletrônicos, brinquedos e gêneros alimentícios, como frutas, verduras e carnes.

Original em: http://www.bemparana.com.br

GD Star Rating
loading...

Greve dos policiais civis de Goiás já dura 15 dias e pode ganhar adesão de IML

Faixa com aviso de greve na delegacia em Valparaíso II - (Kléber Lima/CB/D.A Press )
Faixa com aviso de greve na delegacia em Valparaíso II

A terceira greve deste ano dos policiais civis de Goiás completa 15 dias, nesta segunda-feira (19/10), e segue sem previsão de um desfecho. O movimento, que só no Entorno de Brasília atinge mais de 1 milhão de habitantes, pode receber um reforço, com a possível paralisação dos profissionais do Instituto Médico Legal (IML-GO). A categoria compreende médicos legistas, papiloscopistas e peritos, e fará assembleia, nesta tarde, para definir se cruzará os braços a partir de amanhã, por tempo indeterminado.
Com indicativo de greve aprovado desde a semana passada, os peritos e legistas têm como principal reivindicação o lançamento de um edital para concurso. A seleção já foi autorizada pelo governo do estado. “Cada dia que passa o trabalho aumenta. Os servidores estão sobrecarregados. Não adianta aprovar concurso e não realizar”, diz Carlos Kléber Garcia, presidente da Associação dos Peritos em Criminalística de Goiás (Aspec-GO).

A falta de profissionais já é conhecida por moradores da cidade de Formosa, no Entorno norte do DF. Na semana passada, acidentes e crimes violentos não tiveram visitas técnicas no local, já que o único perito criminal do IML estava de férias. A unidade de Formosa atende outras 12 cidades goianas, e para isso conta apenas com dois médicos legistas.

Carlos Kléber explica que, sem perícia, um culpado pode ser inocentado por falta de provas. Mesmo quando o trabalho é feito no local do crime ou acidente, há ainda o problema de laudos atrasados, devido a falta de servidores. “Na situação que a gente está hoje, é quase como se estivéssemos em greve”,diz.

A situação é um pouco menos complicada no IML que atente o Entorno Sul do DF, mas está longe do ideal. A unidade de Luziânia conta com oito peritos criminais e oito legistas. Mas é responsável pela região mais densa dos arredores de Brasília, com 1 milhão de habitantes, e uma das mais violentas do país. Entre as 11 cidades sob tutela do IML de Luziânia estão as populosas Águas Lindas, Valaparaíso e Cidade Ocidentel. Segundo Carlos Kléber, para suprir a demanda seria necessário o dobro de pessoal.

Manifestação
Agentes e escrivães da Polícia Civil de Goiás farão amanhã, às 14h30, uma mobilização na Assembleia Legislativa de Goiás, em Goiânia (capital do estado). Eles querem impedir que os deputados aprovem o projeto de Plano de Cargos e Salários (PCS) enviado pelo governo.

No PCS, o salário inicial é mantido em R$ 2.711 e o teto salarial, que hoje é de R$ 3.348, sobe para R$ 5.144,91. O plano também atende uma reivindicação antiga ao criar a Classe Especial para agentes e escrivães. O reajuste proposto para ascensão de classe é de 10%.

Para o presidente do Sindicato dos Policias Civis do estado (Sinpol-GO), Silveira Alves, a proposta é inaceitável. Ele dá como exemplo o salário final da Polícia Militar de Goiás, que hoje é de 9.720. A categoria também quer a contratação dos 612 aprovados no último concurso da corporação; reposição inflacionária dos últimos cinco anos; e melhoria das condições de trabalho.

Em coletiva à imprensa na terça-feira (6/10) da semana passada, o secretário de Segurança Pública de Goiás, Ernesto Roller, deu a negociação por encerrada. Para Roller, a proposta apresentada é “justa, exequível, dentro da possibilidade do Governo Estadual” e resgata os compromissos assumidos em julho. A greve de julho foi a segunda realizada em 2009 pelos policiais. Ela durou 28 dias e exigia, entre outros pontos, a realização do concurso para agentes e escrivães. A primeira paralisação ocorreu em março.

Original em: http://www.correiobraziliense.com.br

GD Star Rating
loading...

PM apreende arma que pode ter sido usada para derrubar helicóptero no Rio

O comandante do 20º Batalhão da PM (Mesquita), tenente coronel Evanir Linhares, afirmou que 40 agentes apreenderam na manhã desta segunda-feira um rifle .30 que pode ter sido usado por criminosos no último sábado (17) para derrubar o helicóptero da Polícia Militar durante uma operação nos morros dos Macacos e São João, na zona norte do Rio.

Vítimas voltavam de festa, diz família
“Parecia uma guerra”, afirma morador sobre tiroteio
Governo do Rio recusa ajuda da Força Nacional
Veja a repercussão dos confrontos na imprensa internacional

O coronel afirmou que o rifle foi encontrado enterrado com várias outras armas na favela da Chatuba, onde o tráfico é controlado pelo Comando Vermelho, em Mesquita, na Baixada Fluminense.

De acordo com o comandante, as armas foram localizadas após o serviço de inteligência da PM receber uma denúncia, por volta das 6h30. “Algumas estavam enterradas e outras camufladas no meio do matagal”, disse.

Além do rifle, a polícia apreendeu duas espingardas de calibre 12, um fuzil 762, uma submetralhadora 9 mm, uma espada, uma granada, 3.000 munições de diversos calibres, sete carregadores de fuzil, um carregador de rifle .30 e um de pistola, três coletes à prova de balas, seis carregadores de rádio e oito uniformes clonados do Bope (Batalhão de Operações Especiais).

O material foi levado para o DPO (Destacamento de Policiamento Ostensivo) da Chatuba e, em seguida, encaminhado para realização de perícia no ICCE (Instituto de Criminalística Carlos Éboli). Ainda não há informações sobre os criminosos que esconderam as armas.

Violência

Os confrontos na zona norte do Rio começaram na madrugada de sábado. Em disputa pelos pontos de venda de drogas, traficantes do morro São João –controlado pelo Comando Vermelho– e aliados invadiram o morro dos Macacos, controlado pela ADA (Amigos dos Amigos).

Original em: http://www.olhardireto.com.br

Os confrontos entre traficantes e com a polícia deixaram ao menos 15 mortos –entre elas os três PMs que estavam no helicóptero– pessoas mortas e oito feridas.

No sábado, a violência se espalhou e, além dos confrontos no morro dos Macacos, ao menos 12 veículos foram incendiados em bairros da zona norte. De acordo com a polícia, o objetivo dos criminosos era desviar a atenção do morro dos Macacos.

GD Star Rating
loading...

Homem é preso com mais de 12 pássaros

Um homem foi preso neste domingo (18) por crime contra a fauna em Ceilândia. Ele mantinha mais de 12 pássaros em um apartamento no bloco G da Quadra EQNP 06/10.

Os policiais da Divisão de Operações Especiais (DOE) descobriram que o homem de 44 anos criava as aves por meio de uma denúncia. Foram recolhidos seis canários da terra que não possuíam permissão do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Para enganar a fiscalização, o homem ainda colocou cinco anilhas falsificadas em alguns pássaros.

As aves apreendidas foram encaminhadas ao centro de triagem da floresta nacional. Eles serão analisados pelo Instituto de Criminalística. O autor do crime foi encaminhado a 23ª Delegacia de Polícia, registrado e liberado em seguida.

Original em: http://www.clicabrasilia.com.br

GD Star Rating
loading...

Helicóptero da PM pode ter sido derrubado por disparo de munição antiaérea

Secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, disse, em entrevista coletiva neste domingo, que a invasão ao Morro dos Macacos não foi concretizada / Foto: Marcelo Piu

RIO – O helicóptero Phenix 3, modelo Esquilo AS-350 B2, do Grupamento Aéreo Marítimo (GAM) da PM, pode ter sido derrubado por um disparo de munição antiaérea. A hipótese foi admitida pelo secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, com a ressalva de que a identificação da arma depende do resultado das análises feitas pelos peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). A aeronave do GAM foi atingida no sábado, quando apoiava uma operação no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, onde facções rivais travavam uma batalha pelo controle dos pontos de venda de drogas.
Durante o enterro dos dois soldados mortos na queda da aeronave, Beltrame disse que a polícia ainda está investigando o que teria atingido e derrubado o helicóptero do GAM:

– Em tese, a arma usada pelos bandidos poderia ser um fuzil 7.62 ou armas de calibre .30 ou .50 – disse o secretário.

De acordo com Beltrame, o uso de um lança-rojão pelos traficantes para derrubar o helicóptero é pouco provável, pois as consequências do emprego da arma teriam sido bem maiores.

O secretário disse ainda que a tentativa de invasão ao Morro dos Macacos, na madrugada de sábado, ocorreu aos poucos e de maneira dissimulada, diferentemente de outras ações do tipo, quando criminosos organizam “um bonde”, composto por várias pessoas. Segundo ele, os bandidos começaram a entrar na favela dias antes, em duplas ou sozinhos. O ataque final estava marcado para este sábado mas, de acordo com o secretário, a invasão não foi concretizada.

– Os criminosos entraram de maneira dissimulada, aos poucos. Mas a informação que temos é de que a facção rival não tomou o Macacos. A população local já retomou sua rotina.

Exército veta compra de metralhadoras

Um mês antes da queda do helicóptero Phenix 3 da Polícia Militar, a Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC) do Exército, em Brasília, vetou a compra de 12 metralhadoras americanas Minimi (M-249) pela Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil do Rio. A arma – usada pela Polícia Federal e por unidades da Marinha – já tinha sido testada por quatro meses nos helicópteros da instituição. A aquisição do armamento calibre 5.56 fazia parte de um planejamento da Polícia Civil para aumentar a segurança da tripulação nas aeronaves durante ações de combate ao tráfico. Mas, apesar de comprovada a eficácia do equipamento, a compra foi vetada com base em uma portaria que proíbe o emprego desse tipo de arma por polícias estaduais.

Meses antes, a mesma portaria foi usada como argumento pelo Exército para impedir que o comando do Batalhão de Operações Especiais (Bope) realizasse a compra de coletes a prova de balas de uma empresa israelense. Embora o material analisado fosse melhor e mais leve que os similares nacionais, a compra não foi liberada sob o argumento de priorização do emprego de produtos confeccionados por empresas nacionais.

O GLOBO tentou ouvir o centro de comunicação do Exército, em Brasília, sobre o impasse nas compras das metralhadoras e dos coletes a prova de balas. Por telefone, um militar informou que não havia expediente domingo na diretoria de fiscalização de produtos controlados.

De acordo com o planejamento da Core, o modelo de metralhadora Minimi é mais leve e tem maior precisão em ações aéreas. Além da compra do armamento, a Polícia Civil conseguiu recursos junto à Secretaria de Segurança Pública para blindar totalmente um dos modelos Esquilo AS 350 B2. A aeronave ainda vai receber este ano um equipamento sofisticado capaz de captar imagens com nitidez a uma altitude de 3 mil pés (900 metros).

O equipamento, orçado em R$ 3,5 milhões, é composto de câmera, com capacidade de captar imagens à noite, centro de monitoramento, que será instalado na Coordenadoria de Inteligência da Polícia Civil, e palmtops, a partir dos quais as equipes em terra poderão acompanhar em tempo real as imagens geradas pela câmera instalada na aeronave. O emprego desse tipo de equipamento vai permitir o planejamento das ações de combate a facções criminosas, com menor risco aos policiais.

Original em: http://oglobo.globo.com

GD Star Rating
loading...

Domingo começa com três homicídios em Maceió

Em todos os casos, vítimas foram alvejadas a tiros; ninguém foi preso

O domingo começa com violência em alta na capital alagoana. Apenas no início da madrugada, foram registrados três homicídios em Maceió, todas as vítimas atingidas por arma de fogo. Uma quarta pessoa por pouco não teve o mesmo fim. Ninguém foi preso.

O primeiro assassinato ocorreu no bairro do Clima Bom, nas imediações do Galeto do Pereira. César Roberto de Lima, de 30 anos, foi alvejado a tiros e o acusado fugiu do local tomando destino ignorado. Ainda no Clima Bom, Borges da Silva recebeu um tiro na região do abdome e foi levado ao Hospital Geral do Estado (HGE), no Trapiche

No bairro do Jacintinho, a vítima identificada como Jackson Mendes da Silva, de 23 anos, foi atingida na região da cabeça e morreu na hora. O acusado fugiu e não foi identificado. Mais um crime ocorreu dentro da casa de shows Mansão do Reggae, na Chã de Bebedouro. A vítima, uma menor de 17 anos, identificada apenas como Cleciane, foi executada com três tiros.

Em todos os casos, viaturas do Instituto Médico Legal e do Instituto de Criminalística foram acionadas para recolhimento do corpo e procedimentos cabíveis, além da Polícia Militar e Polícia Civil.

Original em: http://gazetaweb.globo.com

GD Star Rating
loading...