Corregedoria da Polícia Civil começa a investigar a liberação do Belga

A Corregedoria da Polícia Civil começa a investigar, nesta segunda-feira (26), as razões que levaram a Delegacia do Ipsep a liberar o Belga, após ele pagar a fiança de R$ 1000. Nesta tarde, o corregedor Paulo Jean deve ir a unidade policial para analisar a conduta tomada pelo delegado de plantão Eronides Junior.

Também nesta manhã, começaram a ser colhidos os primeiros depoimentos sobre o caso. A primeira a ser ouvida foi uma das cinco pessoas atropeladas na última quinta-feira (22), Eliane Marques de Freitas, de 26 anos. Segundo a delegada Fátima Câmara, ela contou que estava de costa quando foi atropelada. A mulher foi a Delegacia do Ipsep acompanhada do seu sobrinho Rafael Marques do Nascimento, de 10 anos, também uma das vítimas. Os dois foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para fazer perícia traumatológica.

Agora, a delegada está aguardando a perícia do Instituto de Criminalística (IC). Em depoimento, o belga Olivier Javier Albert, de 38 anos, informou que perdeu o controle do carro após o pneu traseiro do lado direito estourar.

Na última quinta-feira (23), O belga subiu a calçada e atropelou cinco pessoas. O fato aconteceu, por volta das 4h30, na Avenida Recife, no bairro do Ipsep, Zona Sul do Recife. Uma mulher morreu no local.

A vítima fatal foi a diarista casa Rosângela de Cássia, de 24 anos. Ela estava com as duas filhas na hora do atropelamento – uma delas, Kaliandra Cássia Fernanda da Silva, 7, permanece internada no Hospital da Restauração (HR).

No bolso de Olivier, foi encontrado uma pequena quantidade de maconha. Ele alegou também haver bebido uma cerveja, por voltas das 3h, na sua casa em Olinda. Antes do acidente, ele estava indo com seu carro, um Buggy, para a casa da namorada, localizada em Areias. O belga também estava sem a carteira de habilitação.

Original em: http://jc.uol.com.br

Leave a Reply