PC prende acusadas de assassinato de jardineiro

Acusadas de terem matado o jardineiro Sérgio Renato Santana, 45 anos, foram presas pela Polícia Civil. A prisão aconteceu na tarde de ontem, quando, após investigações, equipe de detetives da Delegacia de Homicídios da Polícia Civil, composta pelo inspetor Gonzaga, agentes Ismar, Eliene e Zaidan, comandados pelo delegado Luiz Fernando de Paula Bernardes, compareceram a uma residência na rua São Lucas, no bairro Parque São Geraldo. Eles prenderam a acusada de homicídio Tatiana Vilela Vasques, 25 anos. Em seguida, realizaram rastreamentos e prenderam a comparsa Priscila Silva dos Santos, 25 anos, que estava na avenida Bandeirantes. Segundo o delegado Luiz Fernando, os mandados de prisão temporária de 30 dias foram expedidos pelo juiz de Direito Fausto Bawden de Castro Silva, da 3ª Vara Criminal de Uberaba.
Tatiana, ao prestar depoimento ao delegado de plantão, confessou o homicídio e disse que tinha combinado um programa co a vítima, mas ao chegar ao local o jardineiro começou a agredi-la, praticou sexo forçado e ela armou-se com uma lâmina e provocou dois cortes no pescoço dele. Ambos entraram em luta corporal e o jardineiro caiu ao solo. Nesse momento,ela armou-se com uma barra de ferro e desferiu vários golpes na cabeça da vítima, que permaneceu caído. Em seguida, ela entrou no carro, passou por cima dele e fugiu em seguida, abandonando a vítima e o veículo.
O crime – Segundo a Polícia Civil, o corpo do jardineiro foi encontrado após denúncia anônima na manhã do dia 15 de novembro, por volta das 7h, pela Polícia Militar, na avenida Filomena Cartafina, próximo a um residencial que está sendo construído. Viatura da PM chegou ao local e deparou com o corpo de Sérgio caído ao solo.
O perito criminal Amarildo Giacometto compareceu e constatou que ele foi vítima de quatro golpes de objeto perfurocortante (facão ou podão), sendo atingido por um golpe na cabeça, dois na face e um no pescoço. Foi encontrada também a quantia de R$ 51 em dinheiro que estava perto do corpo.
Em seguida, o corpo de Sérgio foi levado para a sede do Instituto Médico Legal (IML) pelo auxiliar de necropsia Geraldo Barbosa.
O pai da vítima ligou para a Polícia Militar no intuito de relatar que seu filho estava desaparecido desde às 18h de sábado (14). Um sargento da PM orientou o solicitante a procurar o IML, porque havia um corpo que não estava identificado. O pai da vítima foi até o local e constatou que realmente era seu filho Sérgio. Após prestarem depoimentos, as duas acusadas de homicídio foram levadas para uma das celas da penitenciária Aluizio Ignácio de Oliveira.

Original em: http://www.jornaldeuberaba.com.br

Leave a Reply