Maquinista admite em depoimento que estava fora do trem quando ele partiu

Polícia investiga duas hipóteses para o incidente.
Governador se reuniu com representantes da SuperVia e do metrô.

O maquinista que conduzia o trem da SuperVia que na segunda-feira (18) apresentou problemas no ramal de Japeri admitiu, em depoimento na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), que realmente estava fora da composição quando ela partiu da estação de Ricardo de Albuquerque.

O incidente aconteceu na manhã de segunda-feira (18), quando o trem partiu em velocidade de Ricardo de Albuquerque e só foi parado pela SuperVia quando a energia da composição foi cortada.

No depoimento, segundo o delegado Eduardo Freitas, o maquinista contou que tinha saído da cabine para verificar um problema num dos vagões quando viu o trem partindo da plataforma.

Freitas investiga duas hipóteses para o ocorrido. A de que alguém teria entrado na cabine, na ausência do maquinista, e acionado a partida da composição ou de que houve um defeito técnico que, relacionado ou não a uma falha humana, deu a partida no trem.

Equipes da DDSD buscam outras testemunhas que possam ajudar a esclarecer o que aconteceu, já que o maquinista não estava perto da cabine quando o trem partiu.

O delegado aguarda o laudo da perícia técnica do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) que sai em 30 dias.

Em nota, a SuperVia disse que instalou uma comissão para investigar o incidente e que trabalha junto com a polícia na apuração dos fatos. Um laudo sobre o caso ficará pronto em 30 dias. A concessionária afirma também que qualquer informação neste momento é “prematura e incompleta”.

Cabral cobra explicações

Indignado com o incidente, o governador Sérgio Cabral comentou o caso nesta terça-feira (19). “Como é que um trem sai de Japeri sem piloto? Como é que um maquinista sai da cabine e o trem dispara, precisando cortar o sistema elétrico para pará-lo?”, indagou em forma de cobrança.

Segundo ele, representantes da SuperVia e do Metrô foram convocados para uma reunião com o próprio na segunda-feira (18), dia em que passageiros reclamaram que um trem do ramal de Japeri apresentou defeito e circulou sem maquinista no trecho entre as estações de Ricardo de Albuquerque e Oswaldo Cruz.

Alegando que a desordem nos transportes é responsável também pela desordem na cidade, Cabral afirmou que não vai deixar de “puxar a orelha” nas concessionárias sempre que for preciso. “Pedimos o compromisso de investimentos e a racionalização do sistema”, disse ele.

O governador anunciou ainda a compra de 30 novos trens para a SuperVia e 108 novos carros para o metrô, além da reforma dos trilhos em alguns trechos da linha férrea e da compra de novos equipamentos de sinalização.

Como foi

Na manhã da segunda-feira (18), passageiros informaram que o trem do ramal de Japeri que apresentou defeito circulou sem maquinista no trecho entre as estações de Ricardo de Albuquerque e Oswaldo Cruz. Segundo eles, a composição estava em velocidade superior a normal e não parou na estação de Deodoro.

Segundo o Sindicato dos Ferroviários, o trem passou numa velocidade superior a 70 Km/h pela estação de Deodoro e o condutor havia saído da composição para averiguar um problema na parte elétrica quando viu, atônito, o trem sair em disparada.

Original em: http://g1.globo.com

Leave a Reply