Preso garçom de hotel em Copacabana acusado de abuso sexual contra menina de 11 anos

RIO – O garçom Antônio Marcelino, de 38 anos, foi preso nesta segunda-feira por policiais da 13ª DP (Copacabana) por prática de pedofilia. Funcionário de um hotel na Avenida Atlântica, ele foi denunciado por uma amiga de trabalho que descobriu que o garçom vinha tentando aliciar sua filha de 11 anos através do computador. A mulher, que trabalhava como camareira, filmou, na última sexta-feira, o momento em que Antônio estaria se masturbando para sua filha através da Webcam (câmera digital do aparelho). Depois de ter tido a prisão preventiva decretada no fim de semana pelo juiz de plantão no TJ, Leonardo Ferreira Chaves, policiais foram até a casa do preso, na Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, em Bonsucesso, e apreenderam a CPU do computador do acusado e uma bermuda usada na hora da filmagem.

De acordo com a delegada Monique Vidal, a CPU será encaminhada à perícia no Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). O objetivo é traçar um perfil de comportamento do garçom através de varredura na memória de seu computador. Monique Vidal acrescentou que a bermuda é uma prova importante, já que Antônio negou ter trocado mensagens com a menina.

Nas imagens gravadas pela camareira, o garçom apareceria apenas de bermuda. Sem camisa, ele se levanta à frente da câmera e passa a se masturbar, sempre evitando que o rosto fosse captado pela webcam. Na delegacia, Antônio caiu em contradição diversas vezes durante o depoimento. Em um momento, disse que havia sido vítima de um hacker.

Segundo Monique Vidal, o garçom foi indiciado com base nos artigos 241-D do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que prevê penas de até seis anos de prisão para quem aliciar, assediar, instigar ou constranger uma criança, por qualquer meio de comunicação. Antônio também responderá por corrupção de menores. Com isso, a soma das penas pode chegar a 10 anos de prisão.

Na última terça-feira, o jovem Ulisses Leide Novais Basílio, de 26 anos, foi preso na Vila da Penha acusado de manter relações sexuais com um menor de 14 anos. A denúncia também partiu da mãe da vítima, se passou pelo filho e troco mensagens de computador com o suspeito. Depois, ela procurou a delegacia.

Poucos dias antes, também havia sido preso por pedofilia o dono de uma creche na Tijuca. Paulo Maurício de Lima Barcelos, de 42 anos, teria abusado sexualmente de cinco meninas, entre 4 e 6 anos, que frequentavam a sua creche, na Rua Araújo Pena. A polícia efetuou a prisão depois que pais dos alunos foram à delegacia denunciar Paulo Maurício.

Original em: http://oglobo.globo.com

Leave a Reply