Líder do MST que incitou destruição de fazenda em SP negociou convênios de R$ 222 mil

SÃO PAULO e PORTO ALEGRE – Miguel Serpa, um dos nove presos sob a acusação de comandar a invasão e depredação de uma fazenda da Cutrale , em outubro de 2009, em Iaras (SP), negociou em 2007 dois convênios no valor de R$ 222 mil com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). De acordo com informação da ONG Contas Abertas, Serpa, que é um dos líderes do Movimento dos Sem Terra (MST) na região de Bauru, era presidente na época da Associação Regional de Cooperação Agrícola para Reforma (Acar).

Foram dois convênios com o objetivo em contrato de implementar “ações com intervenção de máquinas agrícolas para erradicar as soqueiras (raízes que sobram dentro e fora da terra) de cana de açúcar em 300 hectares de terra”. No primeiro, de R$ 180 mil, o Incra não aprovou a prestação de contas apresentada pela Acar, que, então, passou a ser considerada inadimplente. Além dos R$ 222 mil do Incra, a Acar recebeu ainda outros R$ 70 mil da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura.

Em vídeo distribuído pela polícia, Serpa aparece convocando militantes a ocupar e causar “pelo menos prejuízo” à empresa. Além dele, também estão presos o ex-prefeito de Iaras Edilson Xavier e a vereadora Rosimeire Serpa, ambos do PT. Rosimeire é mulher de Serpa.

A Polícia Civil de Bauru vai usar quatro vídeos diferentes apreendidos com militantes do MST para identificar os participantes da invasão e depredação da fazenda da Cutrale. De acordo com o delegado Benedito Valencise, as imagens foram gravadas durante os preparativos para a invasão e durante a ação. Os vídeos, apreendidos durante a Operação Laranja, foram encaminhados nesta quinta-feira ao Instituto de Criminalística, para a degravação do conteúdo.

Em Porto Alegre, João Pedro Stédile, coordenador nacional do MST, disse que “ocupar terra pública não é crime, é dever”. Ele disse que a Polícia Civil de São Paulo agiu por motivações políticas. Stédile prometeu uma campanha contra a Cutrale:

– A Polícia de São Paulo está exagerando por motivação política. Quem disse que é crime derrubar 242 pés de laranjas, que a TV Globo transformou em 7 mil? Os companheiros derrubaram aqueles pés de laranja para denunciar que a Cutrale está em terra pública que tem escritura em nome da União.

Original em: http://oglobo.globo.com

Leave a Reply