Ex-comandantes da Polícia Civil local são investigados

Corregedoria apura denúncias contra delegados que passaram por Sorocaba

Três delegados que já comandaram a Polícia Civil de Sorocaba são investigados pela Corregedoria da Polícia Civil do Estado por denúncias que vão desde enriquecimento ilícito até negligência em relação a processos investigativos.

A Corregedoria apura denúncias contra 800 delegados. Entre os que tiveram passagem por Sorocaba está Ivaney Cayres, que dirigiu o Deinter-7 (Departamento de Polícia Judiciária de Estado), sediado no Jardim dos Estados, entre agosto de 2001 e maio de 2002. Ele é investigado por suspeita de corrupção à frente do Detran (Departamento de Trânsito).

Outro ex-diretor do Deinter-7 investigado é o delegado Maurício José Lemos Freire, que esteve em Sorocaba entre junho de 2000 e agosto de 2001. Ele é acusado de não ter investigado denúncias contra um esquema fraudulento envolvendo o concurso para perito do Instituto de Criminalística. O terceiro suspeito é Everardo Tanganelli Jr., que era delegado seccional de Sorocaba até maio de 2002 e é suspeito de enriquecimento ilícito.

O delegado José Ervilha, titular da 7ª Corregedoria Auxiliar em Sorocaba, diz que os investigados não teriam cometido crimes à frente de unidades locais. “A investigação diz respeito a crimes supostamente cometidos fora da cidade. Sequer fomos acionados.”

Saiba o que está sendo apurado

800 investigados
Numa tentativa de detectar focos de corrupção dentro da corporação, a Corregedoria da Polícia Civil do Estado de São Paulo está investigando atualmente 800 delegados suspeitos de práticas criminosas

Passagem por Sorocaba
Três dos investigados tiveram papel de destaque frente à Polícia Civil de Sorocaba, onde eram responsáveis também por unidades de toda a região. São investigados Ivaney Cayres, suspeito de corrupção à frente do Departamento de Trânsito do Estado, o delegado Maurício José Lemos, que teria deixado de investigar denúncias sobre fraude no concurso para perito criminal do Instituto de Criminalística, e Everardo Tanganelli Jr., suspeito de enriquecimento ilícito

Mais severo
Os processos de investigação envolvendo a Corregedoria são, desde agosto do ano passado, subordinados ao secretário de Segurança Pública. A intenção de retirar o comando da própria polícia e a de tornar o processo livre de corrupção

Origonal em: http://www.redebomdia.com.br

Leave a Reply