Polícia acredita que morte de turista argentina em Ilha Grande tenha ocorrido por afogamento

RIO – O delegado adjunto da 166ª DP (Angra dos Reis), Wagner Seixas, deverá apenas registrar a morte da turista argentina, Tereza Florinda Armentano, de 74 anos. Ela estava no Transatlântico Consta Victória e usou a escuna da própria embarcação para um passeio no sábado, junto com outros turistas na Praia de Lagoa Azul, na Ilha Grande. A argentina teria mergulhado e desaparecido. Segundo os inspetores de polícia, Seixas poderia instaurar inquérito se desconfiasse da existência de algum tipo de crime praticado contra a vítima. Porém, eles explicaram que tudo leva a crer que foi um acidente por afogamento, provavelmente quando a idosa mergulhou na Praia de Lagoa Azul.

– As praias da Ilha Grande são de águas claras, mas, profundas. Isso engana o turista que não conhece aquele litoral – disse um policial.

O laudo de necropsia foi expedido pelo legista Marcelo Millen, que confirmou que a causa da morte foi por afogamento. Segundo funcionários do Instituto Médico Legal de Angra dos Reis, até o final da tarde desta segunda-feira nenhum familiar de Tereza comparecera ao local. Tampouco apareceu qualquer representante legal do consulado da Argentina com a documentação para a liberação do corpo. Os tripulantes que estavam na escuna – e que localizaram e retiraram o corpo de Tereza do mar na região de Lagoa Azul – também não se apresentaram junto ao órgão. A previsão era de que o corpo permaneceria mais um dia no IML, no Centro de Angra.

A polícia foi informada de que a turista teria desaparecido após mergulhar, mas a denúncia ainda está sendo investigada. Os passageiros que a encontraram boiando na água da lagoa faziam parte da mesma excursão. Eles estavam num passeio na escuna Água Viva II, por volta das 16h, quando avistaram a argentina. Quando chegaram ao local, os bombeiros encontraram o corpo da passageira – que já tinha sido retirado do mar – em um deque. A Capitania dos Portos instaurou inquérito para apurar as causa da morte. As investigações serão concluídas em até 90 dias.

O transatlântico partiu de Buenos Aires na última quarta-feira. O navio continuou a viagem, mesmo depois do episódio, e seguiria para Búzios, na Região dos Lagos. O próximo destino será Punta Del Este, no Uruguai. Depois, a embarcação retornará a Buenos Aires, na sexta-feira.

Desfile de barcos ornamentais

Neste domingo, Angra e Paraty promoveram desfiles de barcos ornamentados que estavam previstos para janeiro, mas foram adiados por causa da chuva que resultou na morte de 52 pessoas na virada do ano . Entre as vítimas estava a jovem Yumi Faraci, filha dos donos da Pousada Sankay, destruída por um deslizamento de terra, na Enseada do Bananal. Suas cinzas foram jogadas na mesma lagoa onde a turista argentina se afogou.

As cicatrizes da tragédia do réveillon ainda estão na Ilha Grande, na rodovia Rio-Santos, na Avenida do Contorno e no Morro da Carioca, mas Angra dos Reis começa a reagir . Os turistas voltaram a fazer reservas, o trecho de serra da Rio-Santos virou um canteiro de obras e hotéis e pousadas receberam incentivos para suportar os prejuízos.

Original em: http://oglobo.globo.com

Leave a Reply