Artigo sobre qualidade no laboratório de DNA Forense recebe prêmio de gestão pública

Campo Grande (MS) O artigo escrito pela perita criminal Marianna Vicente de Melo com o tema: Implantação de Sistema de Gestão da Qualidade no Laboratório de DNA Forense do Mato Grosso do Sul conquistou o segundo lugar do VI Prêmio Sul-Mato-Grossense de Gestão Pública, na categoria Acadêmica. Esta categoria reúne os melhores artigos científicos sobre Gestão e Políticas Públicas em Mato Grosso do Sul. A solenidade de entrega dos prêmios será realizada na quinta-feira (16), às 16 horas, no auditório da Governadoria.

A perita do Instituto de Analises Laboratoriais Forense (Ialf) da Coordenadoria de Perícias descreve no artigo científico quais são os passos para implantar um sistema de qualidade em um laboratório. A primeira etapa é a criação de uma Comissão Permanente da Qualidade. Esta comissão deve desenvolver várias atividades para implementar o Sistema de Qualidade, de acordo com os requisitos da norma ABNT ISO/IEC 17.025. A maioria delas diz respeito à motivação, conscientização e capacitação dos funcionários. Eles devem ser capazes de lidar com as mudanças de forma dinâmica e de enxergar as oportunidades de melhoria onde antes só viam problemas, comenta.

Entre algumas estratégias para a implantação deste sistema está a sensibilização dos profissionais envolvidos com a apresentação de palestras sobre a importância da metrologia forense e da qualidade no âmbito da perícia criminal; controle dos documentos, ações corretivas e preventivas, além do mapeamento dos processos, a fim de identificar as etapas de cada atividade, da entrada do material até a saída do produto final (laudo pericial). A implantação deste sistema assegura os resultados periciais, garantindo qualidade nos seus processos. Com isso, se ganha credibilidade e reputação frente à população, comenta.

A perita chama a atenção para a organização. Um dos principais fatores de fracasso na implantação da ISO/IEC 17025 em laboratórios é a falta de comprometimento da alta direção de uma organização, afirma. Este entre outros itens é sugerido pela perita para compor num manual da qualidade que descreve políticas e diretrizes para o atendimento de cada requisito da norma.

O artigo foi feito em prol da sociedade buscando como resultado uma maior qualificação dos procedimentos dos exames de DNA. É importante ressaltar que o serviço público tem uma pressão um pouco menor em relação aos processos de qualidade, por não enfrentar processos de concorrência com seus pares. Para que os recursos recebidos não sejam desperdiçados é necessário um trabalho eficiente, eficaz e efetivo. Para conseguir esses resultados, a Gestão de Qualidade pode fornecer uma contribuição decisiva, ressalta.

Sistema Codis

A perita diz ainda que outro ponto importante é a implantação de um banco de dados genéticos conhecido como Sistema Codis (Combined DNA Index System). A idéia é fazer com que todas as amostras de cabelo, pele, esperma, sangue de suspeitos em crimes abasteçam o banco de dados. Esse sistema de vigilância genética, na qual a Secretaria Nacional de Segurança Pública vem investindo, tem parceria com o FBI que vem treinando peritos criminais de todo País e acompanhando a implantação do sistema. O Sistema Codis não só necessita como exige que haja um processo de Qualidade Total para que seja implantado e gerenciado, finaliza.

Original em: http://www.jusbrasil.com.br

Leave a Reply