Perícia criminal tem novo equipamento que permite observar vestígios invísíveis a olho nu

Investindo em avanços para a perícia em Mato Grosso do Sul, o governo do Estado, através de um convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), adquiriu um novo equipamento que permite aos peritos criminais a análise de vestígios invisíveis a olho nu. A partir de agora o Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (Ialf) conta com a Fonte Luz Forense Multiespectral (FLFM). A ferramenta permite observar, fotografar e coletar vestígios em superfícies diversas com mais sensibilidade do que métodos tradicionais. A fonte luz forense oferece resultados periciais mais efetivos na materialização de crime.

Com o equipamento, os peritos criminais conseguem observar fluidos corporais – como sangue, esperma, saliva, fezes, urina, fluídos vaginais, entre outros – em locais ou objetos utilizados em crimes. Além dos fluídos, os peritos também obtêm pequenos vestígios, como cabelos e pêlos, fibras, fragmentos ósseos, unhas, impressões latentes diversas (pegadas em superfícies polidas, palmares, plantares e digitais etc.) e marcas como mordidas e ferimentos.

Peritos criminais avaliam positivamente o novo equipamento, sobretudo em análises de casos de estupro, porque o profissional poderá restringir a coleta de material àquelas regiões onde efetivamente estão as manchas em grande áreas de evidência, como lençóis, colchões, carpetes ou toalhas.

A luz forense também é um avanço pericial por não ser um método destrutível e pode ser utilizado antes da aplicação do luminol – metodologia que continuará a ser usada. O novo equipamento também representa economia na manutenção em relação ao valor praticado na aquisição do luminol.

A ferramenta é constituída de uma poderosa lâmpada e filtros que são capazes de selecionar bandas da luz (comprimentos de onda), que são caracterizadas por cores individuais. Essas cores aplicadas nos vestígios melhoram a visualização através de técnicas de interação da luz que fazem o vestígio brilhar como fluorescente. A amostra também pode ser melhor observada pelo perito criminal por meio da absorção, quando ele fica mais escuro que o suporte e iluminação oblíqua, fazendo o vestígio ser revelado pelo acúmulo de pequenas partículas ao redor.

Na prática, o Perito Criminal, ao aplicar a luz forense, deverá avaliar as características do suporte onde se buscam os vestígios, para então poder selecionar os comprimentos de onda, óculos e filtros de máquina fotográfica que poderão ser empregados, assim se pode proporcionar uma melhor definição das imagens materializadas.

Peritos criminais do Ialf já iniciaram o procedimento de validação da metodologia de análise com a luz forense e os primeiros resultados obtidos pelos profissionais se demonstraram extremamente significativos.

O convênio, firmado entre o governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), e a Senasp, tem investimentos de R$ 1 milhão, com contrapartida de 10% do Estado. Além da luz forense a perícia criminal sul-mato-grossense terá outros equipamentos destinados à modernização dos métodos utilizados pelos profissionais.

Original em: http://www.acritica.net

GD Star Rating
loading...

Peritos de Brasília mapeiam área de tiroteio com scanner a laser

Eles foram ao local onde na semana passada houve um tiroteio entre policiais federais e civis durante uma operação; na confusão, morreu um agente da Polícia Federal

 

 

 

Peritos do Instituto de Criminalística de Brasília estiveram nesta quinta-feira (13) no Recife. Eles foram ao local onde na semana passada houve um tiroteio entre policiais federais e civis durante uma operação de combate ao tráfico de drogas. Na confusão, morreu um agente da Polícia Federal.

 

 

 

O trabalho dos peritos foi no KM 8 da rodovia BR-232, no bairro do Curado, no Recife. Em alguns momentos, o tráfego na rodovia precisou ser interrompido. Os técnicos do Instituto Nacional de Criminalística, de Brasília, demarcaram os 220 metros de estrada que ficam em frente ao local onde ocorreu o tiroteio. Os peritos utilizaram um scanner a laser (foto 2), de fabricação alemã. Um aparelho capaz de captar imagens de lugares, objetos e pessoas em três dimensões. Depois de captadas todas as imagens, com a ajuda de programas sofisticados de computação, os peritos vão poder recriar todo o ambiente onde houve a troca de tiros de forma virtual. Esta é a primeira vez que um equipamento como este é usado numa ivestigação policial em Pernambuco.

 

 

“Esse trabalho não vai ser o principal da investigação, não vai fazer um milagre. A gente está aqui para contribuir com a investigação. Esse equipamento já mostrou eficiência em outros casos. Foi utilizado pela primeira vez em 2007, para reconstituir o acidente da TAM, no aeroporto de Congonhas”, contou o perito do Instituto de Criminalística do Distrito Federal Carlos Eduardo Palhares (foto 3).

Enquanto os peritos faziam o trabalho na BR-232, prestaram depoimento na sede da Polícia Federal, no Recife, o delegado Marcelo Ferraz e um agente da Polícia Civil. Os dois não participaram do tiroteio que resultou na morte do agente federal Jorge Washington Cavalcanti de Albuquerque, mas chegaram ao local logo após a troca de tiros.

Até agora, o delegado federal Renato Cintra, responsável pela investigação, já ouviu mais de 20 pessoas no inquérito. Nesta sexta-feira (14), estão agendados depoimentos de outros agentes da Polícia Civil.

 

 

“Cada vez mais fatos novos podem surgir. E é isso o que a Polícia Federal quer: entender a integralidade todas as circunstâncias que envolveram esse episódio”, afirma o assessor de Comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro (foto 4).

Mais três testemunhas foram ouvidas, nesta quinta, na Corregedoria de Polícia da Secretaria de Defesa Social, pelo delegado Paulo Jean. Dois funcionários de uma fábrica do bairro do Curado, onde houve o tiroteio, e um homem que passou pelo local na hora da confusão. Ao todo, sete testemunhas já prestaram depoimento na Corregedoria da SDS.

 

O CASO

O tiroteio entre policiais civis e federais foi na BR-232, no Curado, na quarta-feira, dia 5 de janeiro. O policial federal Jorge Washington Cavalcanti de Albuquerque, 57 anos, morreu. O também agente federal, Sílvio Romero Moury Fernandes dos Santos, 40 anos, foi baleado, mas já recebeu alta.

Os dois tinham acabado de sair do Terminal Integrado de Passageiros (TIP), depois de prender Wagner Alves do Nascimento, de 24 anos, com 17 quilos de pasta base de cocaína. Na rodovia, eles tentavam capturar um segundo suspeito de tráfico de drogas. Só que outro carro parou, com os policiais civis e que também estariam investigando o mesmo caso, e houve troca de tiros. Possivelmente, uma falha de comunicação fez com que a busca por traficantes no bairro do Curado se transformasse em um tiroteio entre os policiais federais e civis.

O inquérito está sendo conduzido pela Polícia Federal, pelo delegado Renato Cintra. As armas dos policiais foram enviadas para perícia no Instituto Nacional de Criminalística, em Brasília.

A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social abriu uma sindicância para apurar como ocorreu o tiroteio. A SDS determinou ainda que, enquanto durarem as investigações do caso, os policiais civis do Denarc vão desempenhar apenas funções administrativas. São eles o delegado Marcelo Ferraz Pimentel e os agentes Sérgio Luiz Bezerra de Lima, Leandro Barbosa de Souza, Fabiano Ponciano da Silva e Roberto Carlos de Oliveira.

Original em: http://pe360graus.globo.com

 

GD Star Rating
loading...