‘Caso Calaça’ baseia estudos de perito criminal da PF, que dá palestra para militares em Palmas

Estudos científicos acerca do caso que envolveu o confronto entre quatro policiais do COE – Comando de Operações Especiais da Polícia Militar do Estado e três bandidos, em junho de 2009, na região do município de Conceição do Tocantins – e que resultou na morte do Cabo Welder Calaça da Silva – serviram de base para a palestra “Balística de Alta Velocidade: um estudo de caso”, ministrada pelo perito criminal da Polícia Federal Marcos Antonio da Silva, na manhã desta quarta-feira, 23, no auditório do QCG – Quartel do Comando Geral, em Palmas.

Para um público formado exclusivamente por policiais militares do 1º e 6º BPMs, do QCG, da CIOE – Companhia Independente de Operações Especiais e de cadetes da Academia de Polícia Militar do Tocantins, o perito federal Marcos Silva expôs uma série de exemplos de desempenhos balísticos criados e utilizados em diversas ocasiões, especialmente por polícias internacionais (Rússia, Vietnã, Coréia, Estados Unidos), mostrando os diversos calibres de munições e projéteis, seus efeitos e variações quando disparados. Foram apresentadas fotos do local do confronto, seguidas das explicações técnicas.

Segundo o perito, “foram de 2 a 3 meses de trabalho e pesquisa científica”, com “foco principalmente na literatura americana” sobre balística. Marcos Silva coordenou os trabalhos, que contaram com a participação de outros quatro peritos da PF: Alexander Silva Rosa, Fabrício Bispo, Marcos Davidson e Fabrício Theodoro, presentes à palestra.

Para o Chefe do Estado Maior da PMTO, Coronel Jefferson Fernandes Gadelha, que na ocasião também representou o Comandante-Geral da PMTO, Coronel Marielton Francisco dos Santos, a palestra significou “um trabalho técnico-científico que elucidou os fatos e que trouxe uma homenagem aos policiais militares que enfrentaram as incertezas do momento do confronto; e também ao profissional Cabo Calaça, pela sua dedicação”. Coronel Gadelha citou o sucesso da operação que depois de 14 dias desmantelou a quadrilha de assaltantes que agia na Bahia e que entrou em território tocantinense neste mês de fevereiro, ressaltando a importância das parcerias no combate à criminalidade.

Na ocasião, o Coronel Gadelha entregou ao palestrante Marcos Antonio da Silva o Diploma de Colaborador Benemérito da Polícia Militar do Tocantins, resultado dos estudos voluntários sobre o caso e que contribuíram para a eficácia do trabalho da PM no Estado.

Também estiveram presentes representantes dos Comandos de Policiamento da Capital e do Interior, da Secretaria da Segurança, Justiça e Cidadania, do SIOP, da Corregedoria-Geral da PM do Tocantins; a delegada da Polícia Federal Suzane Paes de Vasconcelos, entre outras autoridades.

O CASO

O confronto entre os policiais militares do COE e os três bandidos ocorreu na noite do dia 22 de junho de 2009, em Conceição do Tocantins. No embate, o Cabo Calaça foi atingido por dois disparos (um no braço, de raspão; e outro na região da cabeça, o fatal). A perícia conclui que os projéteis que o atingiram partiram de uma arma curta que estava em poder de um dos bandidos. Esses bandidos vinham realizando assaltos à agência dos Correios e à Casa Lotérica do referido município. O caso foi concluído cerca de três meses depois. O autor dos disparos foi condenado a 16 anos de prisão e está recolhido na CPP – Casa de Prisão Provisória de Palmas.

Original em: http://www.jornalstylo.com.br

Leave a Reply