Curso prepara policiais para instalação de núcleo integrado de homicídios

No dia 1º de agosto, a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), em Belford Roxo, ganhará um Núcleo Integrado de Homicídios para atender exclusivamente às ocorrências da área do 15º BPM.
Para preparar os agentes de Duque de Caxias e arredores para as atividades, foi iniciado, nesta quarta-feira (10/7), um treinamento para policiais civis e militares em preservação de local de crimes.
A capacitação termina nesta quinta-feira (11/7), e conta com a participação de 50 policiais militares e 20, civis. O curso é ministrado pelo delegado Filipi Poeys e pelo perito Frederico Eller. O objetivo é orientar os PMs, normalmente os primeiros a chegar nos locais dos crimes, sobre o que é preciso fazer para que as evidências e características sejam preservadas para a equipe da Polícia Civil.

– Estamos fazendo uma interlocução entre as polícias porque precisamos que o policial militar preserve esse local de crime. Trouxemos um delegado e um perito e criamos a situação de um homicídio para que o policial militar entenda o que ele precisa fazer – esclareceu a chefe de Polícia Civil, delegada Marta Rocha.

Os policiais civis que trabalharão no núcleo integrado são da DH Capital e atuarão através do RAS (Regime Adicional de Serviço). Eles levarão sua experiência e será usado um sistema parecido com o da especializada da capital. Os agentes atuarão no local do crime, acompanhados de peritos. Essa será uma estrutura temporária até que a DHBF nos moldes da DH Capital seja inaugurada.

Delegado titular da DHBF, Pedro Medina destaca que a atuação do núcleo será fundamental para agilizar o atendimento e A investigação de casos de homicídios nas áreas das delegacias de Caxias, Campos Elísios, Imbariê e Xerém.

– Quando há um homicídio, a DP local é chamada, mas às vezes quando chega o local já foi alterado. As equipes do núcleo vão atuar em parceria com os peritos na coleta de evidências, observando a posição do corpo e percebendo a característica daquele crime, por exemplo – explicou o delegado.

De acordo com Medina, a equipe do núcleo fará um relatório e o documento. Todo o material recolhido será encaminhado para a delegacia local para que as investigações sejam feitas. O núcleo contará com seis policiais de plantão por dia.

Para o major Alexandre Mescolin, de 40 anos, a iniciativa do curso é fundamental para que a interação entre as duas polícias seja bem-sucedida.

– É de extrema importância para desempenharmos nossas funções. Essa parceria é muito boa, com as duas instituições sentadas juntas em sala de aula, discutindo e trocando ideias – afirmou o major.
Fonte: Ascom /governo do estado
Foto: Marcelo Horn
Original em: http://diariodemocratico.com.br/

Leave a Reply