Arquivo

julho 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Defesa Social/PE: Concurso previsto para 256 vagas

O concurso da área de Segurança que vai oferecer 526 vagas para a Polícia Científica do Estado de Pernambuco terá dois editais: um com 255 vagas em cargos policiais e outro com 271 oportunidades para funções de natureza administrativa. A organizadora já foi definida, mas o nome da instituição escolhida só será divulgado após a assinatura do contrato, por motivos de sigilo administrativo.

De acordo com o perito e chefe da Unidade Administrativa da Gerência Geral de Polícia Científica (GGPOC), João César Ferreira, os cargos policiais serão perito criminal, médico legista, papiloscopista, auxiliar legista e auxiliar perito. Para todas as funções será exigido nível superior, diferentemente do último concurso realizado em 2007, quando foi exigido apenas nível médio para auxiliares.

Já os cargos administrativos ainda estão em análise por parte da GGPOC, mas a previsão é de que as vagas sejam para assistente administrativo, motorista de carro fúnebre, auxiliar de sala de necrópsia e técnico em radiologia, entre outros. Nesse edital, a expectativa é de que todos os níveis de escolaridade sejam contemplados.

Segundo João César, o concurso representa um avanço para o setor e deixará como maior legado o desenvolvimento da interiorização da Polícia Científica. Ele afirma que três novas unidades encontram-se em estágio bem avançado de construção e irão alocar grande parte dos novos servidores, nos municípios de Caruaru, Salgueiro e Palmares.

Além do concurso para a Polícia Científica está prevista uma outra seleção para delegado, com oferta de 100 vagas. O último concurso para esse cargo foi em 2006, com oferta de 50 vagas e vencimentos de R$4.701. As seleções foram realizadas em quatro etapas, tanto para delegado quanto para a Polícia Científica: prova objetiva, prova discursiva, avaliação psicológica e investigação social.

Informações da Folha Dirigida

Original em: http://blog.euvoupassar.com.br/

GD Star Rating
loading...

Em PE, perícia confirma que empresa operava sob esquema de pirâmide

Delegado afirma que 99,9% das receitas da Priples vinham dos usuários.
Laudo elaborado pelo IC foi enviado à Justiça no início de janeiro.

Delegado Carlos Couto (esq.) deu detalhes do laudo que comprova que a Priples operava sob esquema de pirâmide (Foto: Lorena Aquino/G1)

O delegado do Ipsep, Carlos Couto, deu detalhes, nesta terça-feira (21), sobre o laudo pericial contábil que apontou que 99,9% das receitas da Priples, empresa suspeita de pirâmide financeira, advinham de seus usuários. De acordo com o documento, dos mais de R$ 103,6 milhões de lucro arrecadados em apenas três meses de funcionamento da companhia, apenas R$ 80 mil eram provenientes de receita própria, oriunda de uma renda obtida com tráfego de dados na internet.

O laudo foi elaborado pelo Instituto de Criminalística e enviado, no início do ano, para a 9ª Vara Criminal do Recife. Com o texto, fica comprovado, por meio de provas técnicas, que a Priples não poderia oferecer, como prometia, um retorno de 60% dos valores investidos inicialmente pelos colaboradores. A última parte do processo se encontra no Ministério Público de Pernambuco.

“Com isso, agora, nós exaurimos o nosso trabalho. Essa seria a última tarefa, a prova técnica, agora acho que encerramos a participação”, explica o delegado Carlos Couto, responsável pelas investigações. O inquérito do caso, que corre em segredo, foi instaurado em abril de 2013 e remetido à Justiça em agosto do mesmo ano.
O caso das Priples é o primeiro em que se conseguiu agregar provas técnicas que comprovem o esquema de pirâmide. As informações que resultaram no laudo pericial contábil só foram obtidas com a apreensão dos três livros-caixa da empresa, no começo de agosto de 2013. A Priples começou a funcionar em abril do ano passado e atraiu cerca de 210 mil pessoas.
Entenda o caso
Os donos da Priples chegaram a ser presos na Região Metropolitana do Recife em agosto do ano passado, mas foram soltos dias depois. A empresa funcionava há quatro meses e chegou a movimentar mais de R$ 70 milhões. De acordo com a página companhia na internet, o escritório operava em duas salas – uma própria e outra alugada.
A Priples começou a funcionar em 1º de abril e atraiu 210 mil pessoas, prometendo lucro de 60% ao mês sobre o valor investido na hora do cadastramento. Os anúncios falavam em marketing digital, no entanto, acionada por pessoas que se sentiram lesadas, a polícia concluiu que o esquema se tratava de uma pirâmide financeira.
O sistema de pirâmide funciona da seguinte forma: quem está no topo ganha dinheiro com a entrada de novos investidores, que vão subindo até receberem também. O problema é que chega um momento em que não entra mais ninguém, e quem chegou por último não ganha nada. “Em crimes dessa natureza, estima-se que cerca de 70% ou 80% da base da pirâmide não conseguem recuperar o dinheiro investido”, afirma o delegado Carlos Couto.
Os proprietários da Priples são Henrique Maciel Carmo de Lima, de 27 anos, e a mulher dele, Mirele Pacheco de Freitas, 22 anos. A polícia apreendeu com eles três carros importados, um quadriciclo e ainda US$ 300 mil em espécie. A Justiça bloqueou R$ 70 milhões da conta da empresa.

Original em: http://g1.globo.com

GD Star Rating
loading...

IC responde ao MPPE e reafirma tese de suicídio no caso Sérgio Falcão

Instituto de Criminalística só entregou material 68 dias após solicitação.
Polícia Civil pretende fazer novas ouvidas ao analisar respostas.

Enock Santos, presidente da APOC. (Foto: Katherine Coutinho / G1)A Associação de Polícia Criminal de Pernambuco (Apoc-PE) informou, nesta segunda-feira (3), que as respostas dos 17 questionamentos sobre a morte do empresário Sérgio Falcão já estão nas mãos do Ministério Público. As perguntas sobre o laudo do Instituto de Criminalística (IC) foram encaminhadas à entidade pela Justiça em março último. Falcão foi encontrado morto em agosto de 2012 no apartamento em que morava, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Na coletiva de imprensa na sede do IC, esta manhã, o presidente da Apoc-PE, Enocke Santos, reafirmou a tese de suicídio, questionada pela polícia, e explicou o atraso – foram 68 dias até a entrega das respostas.

Segundo Santos, o IC recebeu um ofício com nomes de peritos que não poderiam participar da investigação. “A lei é clara, quem deve responder aos questionamentos é o perito que esteve em campo. No ofício não constava o nome do perito que esteve no local, Sérgio Almeida. O próprio promotor André Rabelo esteve aqui e conversou com o gestor do Instituto de Criminalística. Os dois concordaram em fazer a alteração do ofício, isso demanda tempo. Além disso, no pedido de reprodução simulada tinha que ser com pessoas que não participaram anteriormente. Fora isso, laudos de repercussão como esse passam por uma equipe que analisa as respostas, antes de ser entregue”, declarou o presidente da Apoc.

Os questionamentos foram aprovados pela Justiça e pelo Ministério Público de Pernambuco e entregues ao Instituto de Criminalística no dia 22 de março. As respostas deveriam ser encaminhadas em até 30 dias, no entanto o material só ficou pronto 68 dias depois. Procurado pelo G1, o promotor André Rabelo afirmou que as questões com o IC estavam sanadas e que não havia o que comentar.

A delegada Vilaneida Aguiar, responsável pelo inquérito, ainda não teve acesso às respostas, mas garantiu que as investigações não param. “Estou marcando com o promotor. Recebendo as respostas das indagações, vou fazer mais ouvidas. Pretendo o quanto antes concluir o inquérito, espero até julho mandar para a Justiça”, disse ela, que ainda não descarta nenhuma possibilidade sobre a morte.

Questionamentos


Como os peritos não estariam autorizados a comentar as investigações, coube a Santos pontuar e defender, mais uma vez, que o caso seria de suicídio. “Todos os quesitos do promotor foram respondidos, quase todas as respostas com certeza estavam no laudo. Os hematomas na cabeça de Sérgio Falcão foram ocasionados no momento da queda. Ele caiu lateralmente, bateu com a cabeça em um armário que estava próximo e caiu de frente no chão, daí os hematomas”, apontou Santos.

O presidente da Apoc não comentou sobre o questionamento da delegada a respeito da reprodução simulada, feita uma semana após a morte do empresário. Segundo Vilaneida, a reprodução apresenta diferenças entre as declarações, a encenação e as imagens gravadas pelas câmeras de segurança do edifício. Santos explicou por que não foi feita uma nova simulação. “Não havia necessidade, mas além disso, o senhor Jaílson [Melo, ex-segurança do empresário e que presenciou a morte] se recusou a participar”, detalhou.

O presidente da Apoc comentou também a ausência de um teste residuográfico nas mãos do ex-policial militar e segurança de Falcão. “Em momento algum foi pedido esse exame. O IC só pode agir se for provocado”, apontou Santos. A delegada Vilaneida Aguiar explicou que não pediu o exame porque não seria necessário. “Todo mundo sabe, depois de seis dias é praticamente impossível detectar chumbo nas mãos. Como ele recolheu a arma do chão, já poderia apontar chumbo. Não poderia usar esse exame nem para ajudar em um pedido de prisão”, afirmou.

“Órfãos da Falcão”

Em Maceió, a falência da Construtora Falcão prejudica cerca de mil alagoanos. Os valores dos imóveis, sem atualização, são estimados em R$ 300 mil, mas para concluir as obras os mutuários vão gastar um valor bem maior. A construtora acumula cerca de R$ 60 milhões em dívidas e uma lista extensa de credores entre funcionários, fornecedores, compradores e bancos. A empresa começou a enfrentar dificuldades há mais de um ano, e a situação piorou com a morte do dono, o empresário Sérgio Falcão, em agosto do ano passado. Com as obras atrasadas, desde antes da morte do proprietário da empresa, os mutuários já haviam entrado na Justiça com causas individuais e coletivas, requerendo o direito de assumirem as obras e assim poderem concluir as construções com outra incorporadora.

No Recife, cerca de 200 pessoas que investiram dinheiro para deixar de morar de aluguel também foram prejudicadas. Eles também entraram na Justiça para tentar reaver a quantia investida.

Entenda o caso

A morte de Sérgio Falcão aconteceu em agosto de 2012 e ainda existe dúvida se ele cometeu suicídio ou se foi assassinado. O empresário tinha 52 anos e vinha atravessando sérios problemas financeiros em sua construtora. Ele foi encontrado morto no apartamento onde morava no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

Os peritos da polícia confirmaram que ele foi baleado no céu da boca e morreu na hora. De acordo com a família Falcão, não há possibilidade de o empresário ter cometido suicídio. A hipótese dos parentes aponta que ele teria sido assassinado por conta de dívidas.

Jaílson Gomes de Melo, ex-policial militar e ex-segurança de Falcão, estava com o empresário na hora da morte e foi filmado pelas câmeras de segurança do Edifício 14 Bis, onde Falcão morava, saindo do apartamento com uma arma, momentos depois da morte. De acordo com a defesa, Falcão teria pegado a arma na cintura de Jaílson e se suicidado.

Original em: http://g1.globo.com

GD Star Rating
loading...

Incêndio danifica 13 lojas do Shopping Guararapes

Chamas foram percebidas pela brigada de incêndio do próprio shopping. Apesar do susto, não houve feridos

Área onde ficam lojas afetadas foi interditada

Área onde ficam lojas afetadas foi interditada

Um incêndio danificou 13 lojas do Shopping Guararapes, na madrugada deste sábado (3). De acordo com o Corpo de Bombeiros, as chamas no centro de compras, localizado em Piedade, Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife (RMR), iniciaram por volta da meia-noite e só foram controladas uma hora e meia depois. Apesar do susto, não houve feridos.
O Instituto de Criminalística deve ir ao local na manhã deste sábado para fazer uma perícia e tentar identificar o que pode ter provocado o incêndio. Dentre as lojas destruídas estão estabelecimentos para venda de celulares, vestuário, brinquedos e loja de artigos esportivos. “Não havia mais clientes no momento do acidente, apenas funcionários do shopping, como seguranças e trabalhadores de limpeza. Nossa brigada de incêndio percebeu fumaça saindo da loja Moda Maior (que vende roupas para pessoas gordas) e acionou, de imediato, o Corpo de Bombeiros”, explicou Eduardo Lemos Filho, superintendente do Shopping Guararapes.

Segundo Eduardo Lemos Filho, o Corpo de Bombeiros chegou rápido. Oito viaturas, entre caminhões autobomba e carros de resgate foram deslocados para controlar as chamas. Ainda de acordo com o superintendente, o Shopping Guararapes abrirá normalmente neste sábado, às 9h. “Vamos apenas isolar a área atingida”, informou. “Felizmente só tivemos danos materiais que serão cobertos pelos seguros, tanto do shopping quanto das próprias lojas”, finalizou.

O Shopping Guararapes possui 220 lojas, em mais de trinta segmentos, incluindo as âncoras Leader, C&A, Hiper Bompreço, Lojas Americanas, Lojas Insinuante, Marisa, além do Box Cinemas, Game Station, Centauro, Renner e Eletro Shopping.

Original em: http://jconline.ne10.uol.com.br

GD Star Rating
loading...

Agente federal não atirou em confronto

O agente federal George Washington Cavalcanti, 57 anos, morto em um confronto com policiais civis no último dia 5 de janeiro, no Curado, Zona Oeste do Recife, não disparou o revólver calibre 38 que portava. De acordo com perícia realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística, em Brasília (DF), a arma foi disparada após a morte do agente federal. Essa será a principal evidência para que os civis envolvidos sejam indiciados por homicídio doloso e fraude processual.

Em seus depoimentos, os dois agentes da Polícia Civil que abordaram o táxi onde havia dois policiais federais contaram que só dispararam suas armas porque George Washington desceu do veículo atirando. Um dos policiais civis acertou um disparo no peito de Washington, ele caiu sobre o revólver e um intenso tiroteio foi iniciado com a chegada de outros agentes, federais e civis. No final, além da vítima, um segundo agente federal ficou ferido.

Segundo fontes extra-oficiais, a perícia demonstrou que a arma de George Washington apresentava sangue na parte externa, no tambor, mas não dentro do cano. “Ficou claro que ela foi disparada após ter sido atingida pelo sangue de Washington. Se ele atirou primeiro, isso nunca poderia ter ocorrido”, ressaltou, em reserva, uma fonte do JC.

Policiais civis e federais investigavam o mesmo alvo, um traficante de cocaína. O bandido foi preso pela PF no Terminal Integrado de Passageiros. Os agentes George Washington e Silvio Moury embarcaram em um táxi com o criminoso para tentar prender o receptador, mas foram confundidos com traficantes.

Após o tiroteio, os policiais civis recolheram a arma de Washington e devolveram horas depois com um tiro deflagrado.

“Esse exame só vem confirmar o que já sabíamos desde o começo. A cena do crime foi descaracterizada pelos policiais civis”, declarou o presidente do Sindicato dos Policiais Federais de Pernambuco, Marcelo Pires.

A assessoria de comunicação da PF informou que o inquérito só deve ser concluído no fim de abril e até lá não divulgará qualquer dado sobre a investigação.

Original em: http://ne10.uol.com.br

GD Star Rating
loading...

Novo exame nega pólvora na mão de agente morto

Assim como o exame inicial realizado no Instituto de Medicina Legal de Pernambuco (IML), o segundo teste de resíduos de pólvora nas mãos do agente federal Jorge Washington Cavalcanti, feito no Instituto Nacional de Criminalística em Brasília, deu resultado negativo. A informação reforça os depoimentos do agente Silvio Moury Fernandes de Souza e do taxista João Farias que disseram que Jorge Washington não disparou sua arma e foi morto por um policial civil com um tiro no peito, ao descer do táxi. O caso ocorreu no último dia 5 de janeiro, na BR-232, no Curado, Zona Oeste do Recife, quando equipes das duas corporações entraram em confronto em operações com o mesmo alvo.

O novo exame realizado pelo Instituto Nacional de Criminalística analisou não só os resíduos coletados nas mãos do agente federal, mas as roupas do policial morto. Não havia vestígios de pólvora no material coletado.

A assessoria de comunicação da Polícia Federal informou que o laudo do exame residuográfico ainda não chegou à Superintendência no Recife e, por isso, não podia confirmar o resultado.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Federais de Pernambuco, Marcelo Pires, o resultado negativo do exame de resíduos de pólvora, além de comprovar que os policiais civis atiraram primeiro, ainda abre espaço para um questionamento grave.

“Conversei demoradamente com o agente Moury. Ele estava ao lado de Jorge Washington e contou que o colega nem conseguiu descer totalmente do carro. Já foi atingido por um tiro. É claro que o exame iria dar negativo. Agora, cabe aos policiais civis que tiraram a arma de Washington do local do crime e depois entregaram o revólver com um tiro deflagrado explicar como isso aconteceu”, pontuou Marcelo Pires.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Cláudio Marinho, questiona a credibilidade do exame de resíduo de pólvora para se tirar qualquer conclusão em uma investigação. “Esse exame está em desuso há muito tempo. O resultado não é preciso e qualquer perito sabe que até mesmo uma pessoa que fume muito pode, ao ser examinada, apresentar um falso positivo”, explicou o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco.

Cláudio Marinho garantiu que o foco da investigação deveria estar fora do local onde ocorreu o tiroteio. “Quem atirou primeiro, quem atirou depois, isso não importa. Era uma situação onde os dois grupos foram induzidos a erro. Os grandes responsáveis pela morte do colega da Polícia Federal são os coordenadores de inteligência das duas polícias que foram negligentes e deixaram as operações se cruzarem”.

Original em: http://jc.uol.com.br

GD Star Rating
loading...

Peritos concluem trabalhos na obra da Transnordestina

Resultado do estudo deve sair em até 60 dias; Coordenadoria da Polícia Civil informou que obras estão paralisadas por conta do recesso de fim de ano

Os peritos do Instituto de Criminalística concluíram, na noite da última quarta-feira (22), os trabalhos na pedreira, em Sertânia, Sertão do Estado, onde ocorreu uma explosão na última terça-feira, (21). O delegado responsável pelas investigações, Leonardo da Mata Gama, começou a ouvir, nesta quinta-feira (23), pessoas que trabalhavam no local no dia do acidente. “Com esses depoimentos e com o laudo da perícia, será possível esclarecer as circunstâncias do acidente”, disse.

O resultado da perícia deve sair entre 30 e 60 dias. A Coordenadoria da Polícia Civil informou que não há risco de novas explosões na pedreira e que o serviço está paralisado por conta do recesso de fim de ano.

Dos dez feridos, cinco continuam internados. Três estão em estado estável e dois estão sedados no Hospital Esperança, no Recife: Valmir dos Santos Silva e Gilvan dos Santos tiveram queimaduras pelo corpo e sofreram problemas respiratórios. As três vítimas fatais do acidente já foram enterradas.

Original em: http://pe360graus.globo.com

GD Star Rating
loading...

Polícia afirma que crime em festa de casamento foi planejado

A Polícia Civil não tem dúvidas de que o duplo homicídio ocorrido durante festa de casamento em Aldeia, Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, na madrugada desse domingo (19), foi um crime premeditado pelo noivo Rogério Damascena. De acordo com o delegado João Brito, os indícios de que ele planejou o crime são fortes. “Ele chegou e anunciou que todos teriam uma surpresa. O cenário revela um quadro técnico de premeditação, tanto é que havia uma arma no veículo e ele, em algum momento da festa, passou a portá-la. Ele premeditou, calculou tudo, para que isso acontecesse posteriormente ao casamento civil (que ocorreu na sexta-feira). Não há dúvida.”

Imagens do sistema eletrônico de segurança do condomínio foram solicitadas pela Polícia Civil. João Brito disse que a investigação não pode apontar ainda a motivação do duplo homicídio seguido de suicídio. “Não posso falar porque não tenho elementos neste momento. Não posso afirmar que foi crime passional. Estamos investigando e temos um mês para concluir o inquérito policial. Precisamos respeitar as famílias neste momento de dor.”

O delegado informou que a arma do crime, uma pistola, ainda não foi encontrada. “Só sabemos que ele pegou a arma na caminhonete, que havia sido estacionada lá durante à tarde. É mais um elemento de que ele planejou tudo.”

O pai do noivo, o funcionário público do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Bosco Pimentel Damascena, 59, único a prestar depoimento formal no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) até o momento, declarou que a arma não era sua. Informou também que nunca teve conhecimento que o filho possuía arma de fogo.

João ressaltou que nunca teve conhecimento sobre problemas conjugais entre o filho e a nora. No depoimento, o pai do noivo afirmou que veio de Ribeirão, onde mora, para a festa. Declarou que estava um pouco distante do local do crime e que escutou vários disparos. Inicialmente, chegou a pensar que se tratava de fogos de artifício. Relatou ao delegado que, quando se aproximou do local, percebeu a noiva caída no chão e viu o filho com um tiro na testa. Logo em seguida, levou Rogério ao Hospital da Restauração, no Derby, área central do Recife.

O delegado João Brito salientou que, mesmo com a morte do autor do crime, o inquérito policial vai ser concluído e remetido ao Ministério Público de Pernambuco. “Vamos aguardar o encaminhamento de todos os laudos técnicos que foram solicitados. É claro que ele não vai ser processado e julgado. Ele é autor e vítima de uma ação suicida. Vamos fechar o inquérito. Depois do Ministério Público, será remetido à Justiça e, posteriormente, arquivado em razão da extinção da punibilidade.”

ACESSO NEGADO – Ontem, a equipe do JC esteve no condomínio Casa Grande D’Aldeia, mas não teve permissão para entrar. Funcionários foram orientados a não repassar nenhuma informação à imprensa. Policiais e técnicos do Instituto de Criminalística (IC) deixaram o local por volta das 7h30. Lá, as casas são separadas por lotes. Existe uma área de lazer comum a todos os condôminos. Alguns terrenos chegam a ter pouco mais de mil metros quadrados. O preço médio de uma casa no condomínio é R$ 500 mil. Várias delas custam R$ 1 milhão.

Do Jornal do Commercio

Original em: http://jc.uol.com.br

GD Star Rating
loading...

Peritos buscam pistas de suposto homicídio

Apesar de indícios, Novaes não descarta hipótese de suicídio

Apesar de indícios, Novaes não descarta hipótese de suicídio

Peritos do Instituto de Criminalística (IC) estiveram, nessa segunda-feira à noite, no apartamento onde morava Domingos Sávio Valgueiro da Costa, 50 anos, encontrado morto na manhã do domingo, dentro da sua residência. O delegado Isaías Novaes acompanhou a equipe. Os policiais demoraram pouco mais de uma hora no local, mas não revelaram muitos detalhes sobre o trabalho investigativo que foi realizado no apartamento.

“Não descobrimos nada de extraordinário. E, por enquanto, não podemos, sequer descartar a hipótese de suicídio” afirmou o delegado, limitando-se a dizer que alguns objetos pessoais do homem, como celular e agenda, foram recolhidos pela polícia e que maiores detalhes provavelmente serão revelados somente após a conclusão das perícias.

Domingos Sávio, visto pela última vez no dia 27, foi encontrado dentro de um quarto, em cima da cama, com um fio elétrico enrolado no pescoço e uma facada na barriga. Segundo o perito Diego Costa, a faca utilizada no crime tinha tanto sangue que será difícil encontrar impressões digitais no objeto. “Aplicamos luminol (reagente utilizado para detectar sangue) no quarto, corredor e banheiro. No quarto, o resultado foi positivo, mas todo o material recolhido (cinco amostras) será levado para um laboratório. Depois das análises é que teremos informações mais precisas”, declarou, salientando que a perícia tanatoscópica (exame do cadáver) será fundamental para as investigações, já que o corpo foi encontrado em estágio de decomposição. “O ambiente ainda não foi limpo. Nada foi alterado no apartamento”, ressaltou o perito.

De acordo com os policiais, a irmã de Domingos Sávio que esteve no apartamento no dia em que o corpo foi encontrado não sentiu falta de nenhum objeto de valor do irmão. “O ambiente estava arrumado, objetos não estavam revirados e nem havia sinais de luta corporal”, disse Isaías Novaes.

Nesta quarta (3), a polícia deve começar a realizar as primeiras ouvidas. Quanto às imagens do sistema de segurança do prédio, estão sendo coletadas pela administração do condomínio e não há, ainda, uma previsão de quando estarão no Departamento de Homicídos e Proteção à Pessoa (DHPP), onde o caso está sendo investigado.

Original em: http://jc.uol.com.br

GD Star Rating
loading...

Perita do TO treinada pelo FBI se destaca em outros estados

Genética Forense e Crimes Sexuais. Esse é o tema de uma palestra que a Perita tocantinense, Patrícia Bonilha de Toledo Piza ministra neste domingo, 10, no XII Congresso Brasileiro de Biomedicina, em Recife. O evento acontece no Centro de Convenções de Pernambuco até dia 12. O público-alvo é composto por técnicos da área da saúde, como médicos, biomédicos e acadêmicos dessas áreas interessados em conhecer as metodologias e ferramentas disponíveis para se analisar geneticamente, amostras biológicas vinculadas aos crimes sexuais envolvendo vítimas de ambos os sexos e de idades variadas.

Para o superintendente da Polícia Técnico-Científica do Estado, José Ivan Farias de Oliveira, a perícia tocantinense vive um momento ímpar. “Nunca os profissionais da criminalística tiveram um reconhecimento tão grande pelo excelente trabalho que executam”. Para José Ivan, os convites que peritos tocantinenses vêm recebendo para proferir palestras em outros estados, é fruto do reconhecimento ao êxito do trabalho silencioso desenvolvido pelos peritos tocantinenses, que em grande parte, buscam melhor qualificação com recursos próprios.

Especialista em Genética Forense e em Saúde Pública e mestrando em Genética Humana, a perita Patrícia Bonilha já tem agendada para novembro, uma nova palestra. Desta vez, a convite do Estado do Piauí, ela vai participar do I Congresso Interdisciplinar da Faculdade Aliança, cujo tema será: Biologia Molecular – A narrativa de um crime sob o enfoque pericial. O tema é semelhante ao que, há pouco tempo, a perita criminal proferiu no Congresso Brasileiro de Biomedicina, em Belém, no Pará.

Além de perita criminal, chefe do Laboratório de Genética Forense do Estado (DNA), Patrícia Bonilha de Toledo Pizza tem curso ministrado pelo FBI sobre Administração de Bancos de Dados de Perfis Genético (Codis), é professora universitária na área de Biomedicina, Genética Humana e Gestão de Controle de Qualidade em Análises Clínicas.

Outro destaque
No mês de setembro o perito criminal também do Tocantins, Sebastião dos Reis Xandó, que foi convidado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP) e pela Associação Brasileira de Criminalística (ABC), ministrou palestra no III Seminário Nacional de DNA e Laboratórios Forenses realizado na UNB em Brasília. O tema foi “Os Novos Rumos da Metrologia Aplicados à Toxicologia e Química Forense”. (Por Gilvan Nolêto)

Original em: http://www.ogirassol.com.br

GD Star Rating
loading...