Perícia apura falha em freio da montanha-russa do Playcenter

Pane no sistema de freios teria causado acidente que deixou 16 feridos.
Segundo o parque, brinquedos passam por manutenções periódicas.

Peritos do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo informaram por volta das 10h40 desta sexta-feira (24) que uma possível falha nos freios de um dos carrinhos é a principal hipótese para explicar o acidente na montanha-russa “Looping Star” do Playcenter, na quinta-feira (23), quando 16 crianças e adolescentes ficaram feridos. Dois carrinhos haviam batido no parque da Zona Norte da capital paulista.
A montanha-russa é uma das principais atrações do parque. São 592 metros de trilhos que os carrinhos percorrem em uma velocidade de até 90 km/h. Ela funciona há 14 anos.
Segundo os peritos, a suspeita é de que uma falha no sistema de freios do brinquedo tenha causado o acidente. Não há previsão de quando a montanha-russa será reaberta ao público.
“O sistema de freio falhou em algum pequeno trecho. Pode ter arrebentado algum componente, mas isso ainda não é confirmado. Visualmente não dá para saber o que ocasionou isso. Aparentemente, o brinquedo de 14 anos nunca teve nenhum problema e a manutenção, segundo informação de funcionários, é feita constantemente, mas vamos desmontar o sistema de freios e também analisar os documentos das manutenções para saber o que pode ter ocorrido”, disse o perito Ariston Mendró.
A montanha-russa ficará interditada por tempo indeterminado a pedido dos peritos. O laudo do IC deverá ser concluído em 30 dias.
O Playcenter informou funcionará normalmente nesta sexta-feira a partir das 12h para receber excursões escolares. Entretanto, o parque não tem previsões de quando a montanhar-russa “Looping Star” voltará a funcionar. No total, 16 crianças e adolescentes ficaram feridos depois que dois carrinhos bateram.
Ainda de acordo com o Playcenter, todos os brinquedos do parque passam diariamente por uma vistoria feita por funcionários, além de manutenções preventivas para troca de peças. Semestralmente, uma empresa credenciada à Associação das Empresas de Parques de Diversões do Brasil (Adibra) também monitora os brinquedos, segundo o Playcenter.

Investigações


Na quinta-feira, a polícia já havia informado que uma falha no sistema de freios poderia ter sido a causa do acidente. “O freio de espera não foi acionado, que é justamente o freio que faz o carro esperar que o outro saia da plataforma”, explicou o delegado Marco Aurélio Batista, que investiga o caso.
Os feridos são alunos de escolas municipais de Carapicuíba e Guarulhos, na Grande São Paulo. Dos 16 feridos, 15 foram levados para o Hospital Metropolitano. Na noite de quinta, apenas cinco permaneciam em observação e uma criança continuava internada – uma menina de 11 anos que sofreu uma fratura no nariz e vai passar por cirurgia na manhã desta sexta-feira.
A estudante Bianca Oliveira Lima, de 11 anos, trincou o maxilar no acidente. Ela falou com o G1 depois de receber alta do Hospital Metropolitano, acompanhada da mãe, Elinalva Oliveira Lima, de 33 anos. A menina diz que outros três amigos da escola ficaram feridos.
Bianca contou que o carrinho onde ela e os amigos estavam subia pelos trilhos quando a composição da frente parou. Os carrinhos colidiram, o de trás desceu de ré e voltou a subir, batendo de novo. A mãe recebeu um telefonema do Playcenter por volta das 14h40 avisando do acidente. “Falaram que não era nada grave, então fiquei mais tranquila”, disse Elinalva.
Colega de escola de Bianca, Rodrigo do Nascimento Amaral, de 10 anos, bateu o nariz no banco da frente e teve um sangramento. “O freio não queria parar, ele [carrinho] veio muito forte e bateu”, contou sobre o acidente. Segundo as crianças, um menino desmaiou após a colisão. A mãe de Rodrigo, Márcia Ângelo Silvina Amaral, de 43 anos, recebeu o telefonema do parque por volta das 15h30. “Eu fiquei muito nervosa e comecei a chorar”, lembrou.

Original em: http://g1.globo.com

GD Star Rating
loading...

Peritos vão avaliar montanha-russa do Playcenter onde 16 estudantes se feriram em acidente

SÃO PAULO – O Instituto de Criminalística deve fazer nesta sexta-feira uma perícia na montanha-russa do Playcenter, na Barra Funda, em São Paulo. O equipamento, batizado de Looping Star, tem 592 metros de trilhos e a velocidade do brinquedo chega a 90 km por hora. Segundo o delegado Marco Aurélio, uma falha nos freios de espera do brinquedo fez a composição bater em outra, que ainda estava parada no trilho, no fim do percurso.

No momento do acidente estavam no parque de diversões alunos de escolas públicas de Guarulhos e Carapicuíba. Dezesseis estudantes com idades entre 10 e 16 anos ficaram feridos . O caso mais grave, segundo a polícia, é de uma menina de 11 anos, que fraturou o nariz e será submetida a uma cirurgia.

Os estudantes dizem que ficaram apavorados, pois o trenzinho bateu, voltou para trás, e bateu de novo.

– Todo mundo ficou em pânico mesmo, chorando – contou um garoto.

Pelo menos três vítimas machucaram o nariz, maxilar e clavícula. Os estudantes bateram com a cabeça na estrutura do brinquedo. Segundo as testemunhas, houve pânico no momento do acidente e várias pessoas sangraram pelo nariz e no rosto.

– Na primeira batida eu fui para o lado e caí sobre meu amigo. Na segunda batida, eu fui para a frente e bati o osso do maxilar na estrutura do carrinho. Minha colega quebrou o nariz e vai ser operada – disse uma das vítimas, identificada como Bianca, de 11 anos.

Segundo enfermeiras ouvidas pela TV Globo no Hospital Metropolitano, para onde as vítimas foram levadas, também houve pelo menos uma vítima com fratura na clavícula.

Original em: http://oglobo.globo.com

GD Star Rating
loading...

Peritos analisam terra em sapato de ex de Mércia

Fragmentos de terra e gravetos seriam compatíveis com os que existem perto da represa em Nazaré Paulista-SP, onde corpo da advogada foi encontrado

SÃO PAULO – Os peritos do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo estão analisando, entre outros objetos, um par de sapatos de Mizael Bispo dos Santos, suspeito do assassinato da também advogada, e ex-namorada, Mércia Nakashima. Entre o material recolhido da sola dos sapatos estariam fragmentos de terra e gravetos que seriam compatíveis com os que existem perto da represa onde o corpo de Mércia foi encontrado, em Nazaré Paulista.

Segundo informações do diretor do Instituto de Criminalística, Carlos do Valle Fontinhas, o material ainda está em laboratório e não há nenhuma conclusão. De acordo com o diretor, o laudo deve sair o mais rápido possível, mas não há previsão de data.

Mércia morreu após deixar a casa da avó, em Guarulhos, no dia 23 de maio. Para a polícia, ela foi morta pelo ex-namorado, de 40 anos. Ele teria decidido se vingar da advogada por ter sido rejeitado por ela. O PM, acrescentou a polícia, contou com a ajuda de Evandro Bezerra da Silva, preso em Sergipe. Os dois seriam amigos e teriam se conhecido em 2004, quando Mizael fazia “bico” como segurança.

Solange Spigliatti, do estadão.com.br
Original em: http://www.estadao.com.br/

GD Star Rating
loading...

Estudo in vitro revela bactérias inofensivas em abacaxizeiro

São Paulo (Agência USP) – Pesquisas in vitro com mudas de abacaxizeiro Gomo-de-mel, feitos em laboratórios da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, revelaram a presença de microrganismos endofíticosv(bactérias) no tecido da planta. “Até aí, nada anormal!”, diz a engenheira agrônoma Monita Fiori de Abreu Tarazi. Segundo ela, bastaria eliminar as plantas “contaminadas” e buscar outras suspostamente, sem bactérias, e prosseguir com os estudos. “Esse seria oprocedimento se nosso enfoque fosse simplesmente a multiplicação clonal da planta, por exemplo. Mas nosso objetivo era estudar a morfofisiologia vegetal, o desenvolvimento da espécie, mesmo na presença dessas bactérias”, descreve. E foi aí que os cientistas descobriram que as bactérias, que normalmente seriam consideradas nocivas à planta, na verdade não a afetam negativamente.

Monita lembra que a detecção de bactérias em mudas de plantas produzidas em laboratório podem afetar a comercialização, ocasionando prejuízo a produtores. “Nosso estudo, no entanto, revelou que, no caso do abacaxizeiro Gomo-de-mel, a presença dos microrganismos endofíticos não são prejudiciais”, afirma. O abacaxizeiro Gomo-de-mel (Ananas comosus (L.) Merril) é um cultivar que foi melhorado no Instituto Agronômico de Campinas (IAC) há cerca de 20 anos. Além de mais doce que o abacaxi normal, o Gomo-de-mel não precisa ser descascado. “Ele é consumido se retirando gomos da fruta, bem semelhante a uma pinha ou fruta-do-conde. Sua comercialização ainda não é abundante, mas em alguns locais ele pode ser encontrado”, conta Monita.

Contrariando paradigmas
O estudo poderá estabelecer novos procedimentos em relação às exigências fitossanitárias. Mas um dos principais resultados, de acordo com a engenheira, é justamente mostrar que os microrganismos encontrados não resultam de qualquer equívoco cometido em laboratório. Ela conta que, ainda durante os experimentos, alguns cientistas consideraram que a presença das bactérias seria causada por falta de assepsia no laboratório ou até mesmo por movimento aleatório de partículas ocasionado pela luz. “Foi assim que definiram, quando encontramos os microrganismos se movimentando dentro da célula da planta”, conta.

Contrariando o que pode ser considerado “senso” comum, Monita e seu orientador, o professor Marcilio de Almeida, do Departamento de Ciências Biológicas da Esalq, partiram para estudos da espécie no Laboratório de Biologia Celular e Molecular, no Centro de Energia Nuclear da Agricultura (Cena), também da Esalq, em busca de respostas e de comprovações que evidenciassem que as bactérias estavam presentes apesar de não-cultiváveis e que não seriam prejudiciais à planta.

Utilizando técnicas de biologia molecular aliadas à microscopia eletrônica de varredura passaram a trabalhar na identificação do DNA das bactérias. “Pelo sequênciamento identificamos entre 15 e 20 bactérias diferentes que podem até favorecer desenvolvimento da planta. Isso era difícil de comprovar uma vez que fizemos várias tentativas de cultivar as bactérias isoladamente, como se faz normalmente, mas sem sucesso. Contudo, acreditamos que os microrganismos endofíticos identificados nesse estudo sobrevivem apenas no tecido vegetal”, conta. Segundo Monita, apesar de necessitar de mais estudos, é possível dizer que os microrganismos localizados no abacaxizeiro Gomo-de-mel facilitam a absorção de fósforo e nitrogênio, por exemplo, favorecendo o desenvolvimento da planta hospedeira.

As pesquisas da Monita, que resultaram na tese de doutorado Comunidade bacteriana endofítica em microplantas de abacaxizeiro: estrutura, diversidade e sua influência na morfofisiologia após antibioticoterapia, tiveram início em abril de 2007 e foram concluídas em abril de 2010. O trabalho teve a co-orientação da professora Siu Mui Tsai, que é responsável pelo Laboratório de Biologia Celular e Molecular do Cena.

Original em: http://www.oreporter.com

GD Star Rating
loading...

Peritos do caso Mércia fazem reunião de rotina na sede do IC

Encontro durou cerca de 2 horas e meia.
Resultados dos exames ainda não estão prontos.

Os peritos envolvidos no caso Mércia Nakashima ser reuniram na tarde desta quarta-feira (30) por cerca de duas horas e meia na sede do Instituto de Criminalística da Polícia Civil, no Butantã, na Zona Oeste, de São Paulo. Segundo Renato Pattoli, perito do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo, foi um encontro “de rotina e essencialmente técnico”. Além disso, ele informou que os laudos dos exames solicitados no inquérito não estão prontos. Por isso, ainda não é possível apontar a causa da morte da advogada.

“É uma reunião rotineira. Quando tem um caso assim que precisa integração, a gente ter um contato mais próximo entre laboratório, IML (Instituto Médio Legal), isso é feito. Sobre o caso, não tem novidade nenhuma, não teve resultado nenhum de exame. Continua tudo como estava”, afirmou Pattoli. Sobre o projétil encontrado no carro de Mércia, o perito disse que este foi levado nesta quarta para o IC para ser periciado. “Vai ser verificado o calibre e serão feitos os exames técnicos necessários”, completou.

Em entrevista ao G1, Pattoli havia dito, com base em sua experiência profissional, que, apesar de Mércia Nakashima ter sido baleada dentro do seu carro, o mais provável é que ela tenha morrido afogada. O corpo da advogada foi achado em 11 de junho numa represa em Nazaré Paulsita, no interior de São Paulo. A vítima estava desaparecida desde 23 de maio, quando saiu da casa dos avós em Guarulhos, na Grande SP.

“Pela experiência que tenho, o tiro não deve tê-la matado. Pode ter sido afogamento. Pode ter desmaiado com o disparo e ter morrido por afogamento”, afirmou Pattoli, responsável pelo laudo sobre a cena do crime.

Ainda, de acordo com Pattoli, somente o laudo do IML (Instituto Médico Legal) poderá determinar a causa da morte da vítima. Os peritos do caso se reúnem no prédio da Polícia Técnico Científica, na capital, na tarde desta quarta, para debaterem os laudos. Os resultados dos exames são aguardados para esta semana. “A minha opinião é de que ela morreu afogada, mas só o IML tem condições de confirmar isso ou não”, disse o perito.

O principal suspeito pelo crime é o ex-namorado de Mércia, o advogado e policial militar Mizael Bispo de Souza, de 40 anos. Para a polícia, mais duas pessoas estariam envolvidas no assassinato: o irmão de Souza e o vigilante Evandro Bezerra Silva, de 38 anos, que teve a prisão decretada por faltar a um depoimento. Foragido, Silva é procurado. Já os irmãos Souza negam o crime, segundo o advogado deles, Samir Haddad Júnior.

Dinâmica do homicídio

Apesar de ainda não ter concluído o seu laudo sobre a cena do crime, Pattoli adiantou o que, na opinião dele, a partir dos achados da perícia, possa ter ocorrido.

Segundo o perito, existem 99,9% de chances de Mércia ter sido baleada dentro do seu carro. Ela estaria dirigindo e o criminoso, no banco do carona. Ainda, segundo a análise preliminar do especialista, o disparo feito pelo agressor tinha o objetivo de matar a vítima, mas a acertou de raspão porque ela teria tentado se defender. Em seguida, a mulher pode ter desmaiado e se afogado na represa em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. A vítima não sabia nadar, segundo familiares. O corpo dela foi achado em 11 de junho, 19 dias após ter desaparecido da casa dos avós em Guarulhos, na Grande SP.

A breve descrição acima, feita por Pattoli, deverá estar no relato oficial que vai traçar a dinâmica do homicídio e fará parte do inquérito da Polícia Civil que apura o assassinato de Mércia.

“O que me leva a acreditar que Mércia foi baleada dentro do carro é o fato de terem sido encontrados um projétil dentro do veículo dela [um Honda Fit prata] e resquícios de metal no ferimento da vítima. Também foram achados fragmentos de osso humano no veículo. O tiro foi dado de cima para baixo. Ninguém atira de raspão em ninguém no rosto. Foi para matar. A vítima estaria tentando se defender e levou um disparo de raspão”, disse Pattoli.

De acordo com o perito, o tiro que atingiu Mércia tirou quase três centímetros de osso do seu queixo. Segundo a perícia do DHPP, a bala que atingiu Mércia pode ter partido de uma arma de calibre 38. O projétil será comparado com duas armas [calibres 38 e 380] apreendidas na casa do ex-namorado da vítima para saber se o tiro foi dado por uma delas.

Testemunha

Um pescador, que é considerado a principal testemunha do crime, afirmou à polícia ter visto um carro entrar na represa de Nazaré Paulista em 23 de maio, um domingo, mesmo dia em que Mércia deixou a casa da avó na Grande SP. Ele contou ainda ter visto um homem alto sair do lado do motorista e disse que escutou gritos de mulher. Em seguida, relatou que viu o carro afundar com as lanternas acesas. O veículo foi localizado em 10 de junho e o corpo de Mércia retirado no dia seguinte.

Em seu depoimento, o pescador não contou ter escutado disparo de arma. Indagado sobre isso, o perito Pattoli respondeu que todas essas dúvidas serão respondidas com a reconstituição que será feita no local do crime, em julho. De acordo com o especialista, existe a possibilidade de usar silenciador em armas de calibre 38. Em outras situações, é possível abafar o som de um tiro dentro de um carro se o veículo estiver com os vidros fechados ou se o atirador usar uma almofada, por exemplo.

Policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos (Garra) de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, detiveram na tarde de terça-feira (29) um homem de 33 anos suspeito de tentar extorquir o irmão de Mércia Nakashima ao exigir R$ 10 mil por supostas imagens que mostrariam o assassino empurrar o carro de Mércia, com ela dentro, na represa. A Secretaria da Segurança Pública informou nesta manhã que buscava informações sobre o fato para saber se o suspeito continuava detido ou se havia sido liberado.

Original em: http://g1.globo.com

GD Star Rating
loading...

Polícia diz que Mércia levou tiro no queixo

A advogada Mércia Nakashima, encontrada morta em uma represa, foi atingida por um tiro no queixo, segundo informou o perito criminal Renato Patolli ao programa Brasil Urgente da TV Bandeirantes nesta terça-feira (29). A perícia, no entanto, diz não acreditar que o tiro a matou, pois ela foi atingida de raspão.

Patolli ainda disse ser provável que o assassino estivesse dentro do carro de Mércia quando fez o disparo. A polícia agora tenta buscar a arma usada no crime. O fragmento metálico parece ser de munição de revólver calibre 38, contou o períto.

Outra informação dada por Patolli é que o corpo de Mércia foi deixado no carro. Segundo a Polícia Civil, outros dentes da vítima foram encontrados no carro onde o corpo foi localizado. O perito disse que ainda não é possível saber se houve luta entre Mércia e o assassino.

O delegado Antônio Olim, que comanda as investigações, disse que vai receber nesta quarta-feira (30) o laudo sobre o fragmento encontrado.

Mércia desapareceu no final de maio, depois de sair da casa da avó. O corpo dela foi encontrado no dia 11 desse mês em uma represa de Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. Um dia antes, a polícia localizou o carro da advogada no mesmo local.

Aspirador de pó
O perito também relatou que a polícia encontrou restos de vegetação no aspirador de pó de Mizael, ex-namorado e principal suspeito do crime. O Insituto de Criminalística deve estudar o vestígio para saber se faz parte da flora em volta da represa de Nazaré Paulista. Patolli disse que é prematuro comentar sobre esse suposto indício.

Original em: http://www.clickpb.com.br

GD Star Rating
loading...

Reconstituição de morte de advogada em SP fica para 2º quinzena de julho

Um mês após o desaparecimento da advogada Mércia Nakashima, 28, a perícia avalia a melhor data para fazer a reconstituição do dia em que o carro foi jogado na represa de Nazaré Paulista (a 64 km de São Paulo). O corpo dela foi encontrado no dia 11 de junho.

De acordo com o perito Renato Pattoli, do IC (Instituto de Criminalística) de São Paulo, a reconstituição será feita a partir da segunda quinzena de julho. “Eu preciso olhar o mapa lunar e fazer os cálculos para ter as mesmas condições de luz que a testemunha relatou”, disse.

Além da mesma fase da lua, que deve ser quarto crescente — pois ilumina de maneira diferenciada de acordo com a época do mês–, outros elementos importantes devem ser levados em consideração, como os cálculos náuticos, condições climáticas e horário aproximado ao informado, para ter a mesma visão do pescador. “Com chuva não é possível fazer a reconstituição”, afirma Pattoli.

O procedimento que deveria ter sido feito ontem (29) foi desmarcado devido ao excesso de trabalho da perícia no caso.

Apesar da testemunha ter afirmado que ouvido gritos antes do veículo afundar na represa, ainda não sabe se advogada estava viva quando o carro foi jogado. Os médicos do IML (Instituto Médico Legal) não determinaram a causa da morte e o dia exato que o crime ocorreu.

Segundo a polícia, Mizael Bispo de Souza, 40, é o principal suspeito de matar a ex-namorada. Policiais encontraram em sua casa sapatos sujos de terra que estão sendo periciados.

Para o perito, com o resultado do laboratório será possível afirmar com 100% de certeza se Mizael esteve na represa. “Uma análise química da terra não resolve, me interessa a fase biológica. É uma coisa precisa, não tem como errar”.

O pescador contou à polícia que viu o suspeito fugir por um matagal ao lado da represa. Por isso foram recolhidos tecidos presos em uma cerca, que podem ser o mesmo de uma camisa encontrada rasgada na casa de Mizael.

A perícia também vai analisar se o sapato foi usado para pular a cerca. “Eu preciso fazer uma análise metalográfica do solado do sapato dele, para saber se ele apoiou o pé na cerca para pular”, diz Pattoli.

O pescador, principal testemunha, irá participar da reconstituição.

Caso

A advogada estava desaparecida desde 23 de maio, quando foi vista pela última vez quando deixava a casa da avó, em Guarulhos (Grande SP). O ex-namorado dela nega qualquer envolvimento no sumiço, mas, para a polícia, ele continua como principal suspeito.

O relatório das ligações dos três celulares de Mércia apontou que a última ligação recebida por ela no dia do seu desaparecimento foi de Souza, às 14h30 do dia 23. Segundo o delegado, essa foi a chamada que os familiares de Mércia viram que ela recebeu e não atendeu.

O rastreamento do carro de Souza apontou que ele passou pela região próxima a casa da avó de Mércia –onde ela foi vista pela última vez– na tarde de domingo (23). Em depoimento, o advogado afirmou que passou na casa de um amigo que mora por lá, mas ele não estava e que passou a tarde com uma garota de programa.

Original em: http://www.expressomt.com.br

GD Star Rating
loading...

Univates: Segurança pública será tema do IV Seminário da Brigada Militar no Vale do Taquari

Discutir temas jurídicos de relevância para a atuação policial, com foco na segurança pública é a proposta do IV Seminário da Brigada Militar no Vale do Taquari, que ocorre dias 21 e 22 de junho, no auditório do Prédio 7 da Univates. Dirigido a acadêmicos de Direito, operadores jurídicos, policiais, gestores públicos municipais e comunidade em geral, o evento tem entrada franca.
Os participantes que desejarem certificado devem se inscrever no Setor de Atendimento ao Aluno – Prédio 9, e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 5,00. O Seminário é uma promoção da Brigada Militar – CRPO/VT e do Curso de Direito da Univates. Mais informações no site www.univates.br ou pelo 0800 7 07 08 09.

PROGRAMAÇÃO

21 de junho
9h – Abertura
9h30min – 1ª Palestra: O estudo de impacto na ordem pública como instrumento de gestão de riscos na segurança pública.
– Palestrante: Coronel Hildebrando Antônio Sanfelice, Chefe do Estado-Maior da Brigada Militar.
– Debatedor: Tenente-Coronel Antônio Scussel, Comandante Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari.
– Mediador: Major Álvaro de Medeiros ? Chefe da Seção de Recursos Humanos do CRPO-VT.
12h – Intervalo para Almoço
14h – 2ª Palestra: Providências de isolamento e preservação de local de crime pela Brigada Militar: a que e a quem se destinam?
– Palestrante: Major Marcus Vinícius Gonçalves de Oliveira, Adjunto de Operações do Estado-Maior da BM.
– Debatedor: Delegado José Romaci Reis, titular da Delegacia de Polícia Civil de Lajeado.
– Mediador: Dr. Ney Santos Arruda, Advogado, Presidente da 4ª Câmara de Julgadores do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/RS.
15h45min – Intervalo
16h – 3ª Palestra: Fiscalização de materiais explosivos: atribuições e procedimentos.
– Palestrante: Capitão de Infantaria Claírton Goeltzer, Chefe da Seção de Fiscalização de Produtos Controlados do 7º Batalhão de Infantaria Blindada.
– Debatedor: Major César Augusto Pereira da Silva, Comandante do 22º BPM.
– Mediadora: Major Nádia Rodrigues Silveira Gehrard, Comandante do 40º BPM.
18h – Intervalo
19h – 4ª Palestra: Natureza jurídica da lavratura do auto de prisão em flagrante delito.
– Palestrante: Tenente-Coronel da Reserva Nélton Henrique Monteiro Ledur, Vice-Presidente do Montepio MBM Previdência e Seguros.
– Debatedor: Dr. Éderson Luciano Maia Vieira, Promotor de Justiça Criminal da Comarca de Lajeado.
– Mediador: Tenente-Coronel Antônio Scussel, Comandante Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari.

22 de junho
8h30min – 5ª Palestra: A função de preservação da ordem pública e a segurança bancária: alcance das atribuições da Polícia Militar no exercício do poder de polícia.
– Palestrante: Major Carlos Adriano Klafke dos Santos, Chefe da Seção de Inteligência do CPM.
– Debatedor: Dr. André Prediger, Promotor de Justiça da Comarca de Encantado.
– Mediador: Major Paulo Rogério Farias Medeiros, Chefe do Estado-Maior do CRPO-VT.
10h15min – Intervalo
10h30min – 6ª Palestra: O teste do etilômetro como prova pericial válida, em caso de crime de embriaguez ao volante.
– Palestrante: Dra. Caren Letícia Castro Pereira, Juíza de Direito da 1ª Vara Judicial de Encantado.
– Debatedor: Tenente-Coronel João Gilberto Fritz, Subcorregedor-Geral da Brigada Militar.
– Mediador: Inspetor Rodrigo Costa Rodrigues, Chefe do Posto da Polícia Rodoviária Federal de Gravataí.
12h – Intervalo para Almoço
14h – 7ª Palestra: O modelo de gestão da Brigada Militar com vistas à Copa de 2014.
– Palestrante: Tenente-Coronel Kléber Roberto de Lima Senisse, Chefe da Seção de Logística, Patrimônio e Orçamento do Estado-Maior da Brigada Militar.
– Debatedor: Tenente-Coronel Eduardo Passos Mereb, Comandante do 3º BPAT.
– Mediador: Major Haroldo Édison Knebel, Chefe da Seção de Logística, Patrimônio e Orçamento do CRPO-VT.
15h45min – Intervalo
16h – 8ª Palestra: Atuação da segurança privada informal: proteção ou constrangimento? Instrumentos legais de controle.
– Palestrante: Major Jorge Alberto Alvorcem Pinto, Chefe da Seção de Registro e Licenciamento do GSVG.
– Debatedor: Dr. Carlos Augusto Fiorioli, Promotor de Justiça de Defesa da Cidadania da Comarca de Lajeado.
– Mediador: Major Vinícius Renner Galvani, Chefe da Seção de Inteligência do CRPO-VT.
18h – Intervalo
19h – 9ª Palestra: A Lei nº 4.898/65 e a legislação penal militar: (in)compatibilidade(s) e prevalência.
– Palestrante: Dr. Sérgio Luiz Nasi, Procurador de Justiça.
– Debatedor: Dr. Pedro Rui da Fontoura Porto, Promotor de Justiça Criminal da Comarca de Lajeado.
– Mediador: Tenente-Coronel Antônio Scussel, Comandante Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari.

Original em: http://www.universia.com.br

GD Star Rating
loading...

Pescador diz ter visto homem empurrando carro de advogada em SP

A Polícia Civil de São Paulo colheu nesta segunda-feira o depoimento do pescador que afirma ter visto o carro da advogada Mércia Nakashima, 28 anos, encontrada morta na última sexta-feira (11), ser jogado em uma represa em Nazaré Paulista, no interior do Estado.

O pescador disse à polícia que viu o carro chegar por uma ladeira que dá acesso à represa e em seguida ouviu o grito de uma mulher bastante desesperada. Ele também afirmou que viu um homem de estatura de média a alta sair pela porta do lado do motorista e dar uma volta no veículo, antes de empurrar o carro para dentro da água. A cena foi presenciada pela testemunha enquanto ele pescava na margem da represa, por volta das 19h30 do dia 23 de maio.

O homem afirmou que só prestou depoimento depois de pedidos insistentes da família de Mércia, já que está com medo de sofrer represálias. Por isso, ele foi colocado pela polícia no serviço de proteção à testemunha.

O diretor do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), Antonio Olim, afirmou depois do depoimento que tudo indica que a advogada morreu no último dia 23, mesma data do desaparecimento.

Perícia – Mais cedo, a perícia que seria realizada no carro de Mércia foi adiada. Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), o veículo permanece molhado e isso poderia prejudicar os trabalhos.

Peritos do IC (Instituto de Criminalística) localizaram no carro uma mancha semelhante a esperma, que pode ajudar na elucidação do crime. De acordo com o perito Renato Pattoli, a mancha foi idetificada do lado direito do banco do motorista do Honda Fit, durante exame superficial realizado na sexta-feira, e ainda é cedo para dizer se é ou não humana. O material será submetido a novos exames para determinar se poderia pertencer a alguém suspeito pela morte de Mércia.

Resultados de exames preliminares feitos pelo IML (Instituto Médico Legal) apontam que Mércia sofreu fratura no maxilar. O laudo completo deve ser divulgado somente daqui a um mês.

Suspeito – O advogado de Mizael Bispo de Souza, 40 anos, principal suspeito do crime, afirmou que seu cliente declarou à polícia que a advogada tinha recebido ameaças de um suposto cliente insatisfeito com o resultado de uma causa trabalhista. De acordo com Samir Haddad Júnior, as ameaças, supostamente recebidas por Mércia no ano passado, fizeram com que Souza buscasse a ex-namorada no trabalho por três vezes, já que ela estava amedrontada.

Haddad Júnior disse, ainda, que tentará marcar uma audiência com representantes da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo) para relatar as ameaças.

Na sexta-feira, a polícia realizou uma operação de busca e apreensão na casa de Souza e apreendeu uma camisa rasgada e um sapato sujo de terra.

Original em: http://www.dgabc.com.br

GD Star Rating
loading...

Ex-delegado-geral é suspeito de encobrir fraude

Maurício Lemes Freire teria recebido documentos sobre irregularidade em concurso para perito, em 2005, mas não encaminhou caso à Corregedoria

Maurício Lemes Freire, ex-delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo (2007-2009), está sendo investigado sob acusação de sumir com papéis sobre irregularidades no concurso para perito criminal ocorrido em 2005. Ele teria recebido documentos das mãos de cinco integrantes da banca examinadora, que acusavam o presidente da banca, o perito criminal Osvaldo Negrini, de ter alterado as notas de candidatos reprovados para aprová-los.

Freire, que é defendido pelo ex-secretário da Segurança, Ronaldo Bretas Marzagão, nega tudo. Na época, o delegado era o diretor da Academia da Polícia Civil – ele só assumiria a delegacia-geral um ano e meio depois.

Ao todo, os peritos da banca suspeitavam que 36 candidatos teriam sido indevidamente incluídos entre os aprovados, enquanto um aprovado foi desclassificado. O grupo pedia o afastamento de Negrini e a exclusão dos beneficiados ilegalmente. Freire presidia a Congregação da Academia, que tinha poder para cancelar concurso ou afastar Negrini, io que não ocorreu

Segundo os peritos da banca, Freire folheou os documentos. A reunião ocorreu em seu gabinete, em 7 de novembro de 2005. Mas os papéis jamais chegaram à Corregedoria da Polícia Civil e nem foi aberta sindicância na Academia para verificar supostas irregularidades. Dos aprovados irregularmente na primeira fase, dois conseguiram passar na segunda, tornando-se peritos.

Ao depor, a perita Rosemary Sinibaldi de Carvalho, que participou da reunião com Freire, disse que o delegado fez um pedido curioso. Ao receber os documentos, ele teria requerido que fosse excluída a última frase: “Com cópia para Corregedoria, Ministério Público e Ouvidoria”.

Meses depois, em 2006, o delegado recebeu uma carta anônima denunciando a fraude, mas sem documentos que a provavam. O autor dizia que cópia da carta havia sido remetida a outras autoridades. Freire, então, enviou a carta à corregedoria. A apuração deu em nada.

Mudança. As coisas começaram a mudar em 2009. A delegada Maria Inês Trefiglio Valente assumiu a Corregedoria e determinou um pente fino em tudo o que antes ficava parado no órgão. A Divisão de Crimes Funcionais da Corregedoria e o Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), do Ministério Público Estadual, passaram a apurar a suposta fraude no concurso.

Foram ouvidos três delegados de classe especial, entre eles o atual diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Marco Antônio Desgualdo. Na época da suposta fraude, Desgualdo era o delegado-geral. Ele disse que Freire tinha autonomia para enviar o caso à corregedoria e que, em seu lugar, teria mandado apurar.

Gecep e corregedoria conseguiram cópias dos papéis originais deixados com Freire, segundo os peritos. N a apuração, constataram que outros papéis sumiram da Academia: as provas dos candidatos no conurso suspeito e os pedidos de recurso e impugnação de questões. O desaparecimento deles é alvo de outro inquérito. A falta dessas provas foi contornada pelos corregedores por meio da apreensão de documentos e planilhas em mãos de Negrini. Eles demonstrariam a denúncia da comissão.

Para lembrar
Maurício Freire perdeu o cargo de delegado-geral após Ronaldo Marzagão pedir demissão da Secretaria da Segurança Pública, em 2009. Marzagão saiu após uma série de denúncias de mau uso de dinheiro e venda de sentenças administrativas e cargos na Polícia Civil, então chefiada por Freire. As acusações atingiam o braço direito de Marzagão, Lauro Malheiros Neto, que se diz inocente.

Original em: http://www.estadao.com.br?

GD Star Rating
loading...